terça-feira, 9 de maio de 2017

Um amargo superar de expetativas

A duas jornadas do final do Campeonato, aconteceu o que chegou, a determinada altura da época, a parecer improvável: o FC Porto assegura a qualificação direta para a Liga dos Campeões. Motivo para celebrar? Não, porque ainda está para nascer o dia em que o FC Porto celebre o primeiro dos últimos lugares - ainda que o passado recente obrigue a concordar que já esteve mais longe. Mas por incrível que possa parecer, a surpresa em ver este FC Porto ir diretamente à Liga dos Campeões não é menor do que desilusão de ver o Benfica a um passo de ser tetracampeão pela primeira vez.

Não há portista que não sonhe alto, nem que não queira mais. Mas desde o início da época a realidade era esta: não foi uma temporada preparada para fazer do FC Porto campeão. Desde a escolha do treinador a toda a gestão da pré-temporada. No meio de tudo isto, o mais admirável é que o FC Porto tenha mesmo conseguido (a diferença de golos em relação ao Sporting já o assegura), sob o comando de Nuno Espírito Santo, ir diretamente à Liga dos Campeões. 

Todos temos que concordar que as arbitragens foram más esta temporada. Muito más. Sonegaram vários lances que poderiam ter ajudado o FC Porto a desbloquear alguns jogos difíceis. Por vezes as equipas não crescem e se constroem apenas com boas exibições: é preciso ter aquela pontinha de sorte num mau jogo, trocar a ópera pelos pontos, sofrer para vencer. 

Mas a verdade é só uma: este FC Porto, versão 2016-17, joga demasiado pouco. Demasiado pouco para poder clamar que tinha estofo de campeão. Como já aqui foi dito, o mais frustrante é mesmo isso: mesmo numa época de mau futebol, o FC Porto tinha todas as condições para ser campeão. Não o foi por motivos diversos: falta de algumas soluções no plantel (e outras desaproveitadas a determinado momento, começando por Aboubakar, passando por Brahimi e acabando em Layún), a falta de qualidade de Nuno Espírito Santo, as más arbitragens, um Benfica bem mais feliz na hora de apitar. Podemos também falar da bola que vai ao poste, do jogador que falha de baliza aberta, de infelicidades próprias do jogo. Também acontece. Mas as quatro coisas anteriormente referidas eram possíveis de se antecipar, ao contrário das meras incidências de jogo.

Vários leitores criticaram O Tribunal do Dragão por ter defendido muitas mais vezes Lopetegui do que o vez em relação a Nuno Espírito Santo. Não só é uma crítica válida como é verdade: houve muitos mais momentos de defesa a Lopetegui do que a NES. Mas há uma grande diferença na hora de avaliar os dois treinadores.

Lopetegui era um absoluto tiro no escuro. Praticamente nenhum adepto o conhecia. Foi uma aposta de Pinto da Costa da qual não sabíamos o que esperar. Ninguém podia afirmar «não vai resultar», porque pouco ou nada sabíamos de Lopetegui.

No caso de NES, já estava aos olhos de todos aquilo que podíamos esperar no FC Porto. Letra por letra. NES não tem qualidade para ser treinador do FC Porto. Pode vir a ter? Não sabemos, pode um dia evoluir bastante. Mas à data de hoje, não tem. Como não tinha após ter concluído - ou deixado por concluir - os seus trabalhos no Rio Ave e no Valência. Não fossem as expulsões da Roma no play-off e possivelmente nem à fase de grupos da Champions o FC Porto teria chegado. Ter começado logo desde o início da época a usar essa vitória como um atestado de crescimento e qualidade foi das piores coisas que se poderiam fazer.

São já seis pontos a menos do que os da época 2014-15. Menos golos marcados, mais sofridos. O FC Porto de Lopetegui, a tal equipa que falhava em momentos decisivos, fez uma belíssima Champions, lutou pelo título (quase) até ao final, valorizou um punhado de jogadores e teve melhor futebol. Muito melhor, sobretudo na época celebrizada pelo colinho. Ainda assim, muitos adeptos vaticinaram logo que não dava. E agora, dá?





Otávio (+) - Esteve mal no passe, mas conseguiu cumprir na função que lhe cabia no último terço: o momento do desequilíbrio. Fez um golo, conseguiu ter alguma objetividade na primeira parte e ainda quis mostrar trabalho defensivo, com um total de 13 ações na defesa. Soube medir bem os momentos em que tinha que sair para o drible (algo que conseguiu fazer duas vezes, enquanto Brahimi tentou 15) e adaptou-se bem ao caos híbrido que é o FC Porto 2016-17.

Outros destaques (+) - Primeira parte bastante boa de Héctor Herrera, que esteve sempre bem nos apoios no jogo interior. Esteve por todo o lado e ofereceu sempre soluções ao portador da bola, na melhor fase do jogo do FC Porto. Quando a equipa recuou, jogando da forma pequena como NES a idealiza, perdeu-se Herrera e perdeu-se o FC Porto. Até lá, Fernando Fonseca (há dois anos alvo de uma análise d'O Tribunal do Dragão que o apontava como um valor seguro - quanto a laterais-direitos estamos perfeitamente servidos, desde Ricardo Pereira a Diogo Dalot) e Brahimi (embora pecando demasiado no lance individual - mas a sério, quem o condena perante o que se passa à sua volta?) também iam fazendo pela vida. 





Não aprender com os erros (-) - Isto é um problema que transcende o FC Porto e a forma como NES aborda as bolas paradas defensivas, mas que afetou uma vez mais equipa. A «velha escola» do futebol ensinava uma coisa que se aprendia desde a formação: nos pontapés de canto, é preciso meter um jogador a cobrir o poste. Isto poderia, por exemplo, ter evitado o golo de Lisandro no Dragão, no FC Porto x Benfica da primeira volta. E também teria evitado este golo do Marítimo.

É preciso notar que o FC Porto tem os 11 jogadores na grande área a defender neste pontapé de canto (com Brahimi na quina da grande área, a evitar o canto curto, e Otávio na meia lua). E no meio de tantos jogadores, ninguém se preocupou em cobrir o poste... e o próprio marcador do golo do Marítimo. Djoussé está completamente sozinho no momento em que o pontapé de canto é batido! E André André pareceu ser o único a aperceber-se disso - o jogador que estava na outra ponta da jogada e que começou a correr que nem um perdido na grande área, numa missão, em vão, de tentar evitar o cabeceamento. Bolas paradas defensivas é uma coisa que se trabalha nos treinos e que obriga a coisas básicas, como saber cobrir os postes e ter atenção a um tipo forte fisicamente e no jogo aéreo, como Djoussé. Esta jogada ignorou tudo isso.

Nada. Não jogam nada (-) - Sabem aquele bronco que aparece nos estádios todos e cujo vocabulário de análise tática não vai muito além de «estes gajos não jogam nada»? Não precisa de dizer mais nada: é uma análise adequada a este FC Porto. NES não sabe nada do que é jogar à Porto. Joga no FC Porto como tentou fazê-lo no Rio Ave e no Valência. Tem culpa disso? Não, está a fazer um trabalho idêntico ao que fez noutras paragens. Culpa - ou responsabilidade - tem quem apostou nisso mesmo. NES está a ser igual a si próprio desde o início da época. Que responsabilidades lhe podemos imputar por fazer um trabalho de acordo com as suas ideias e valia?

Não há ideias para nada neste FC Porto. Ou se procura Alex Telles na profundidade para cruzar para terra de ninguém, ou bombeia-se diretamente a bola para a frente. O FC Porto tem extremas dificuldades em encontrar espaço no jogo interior e decide muitíssimo mal no último terço (algo que também é da responsabilidade dos atletas). É penosa ver a hesitação dos jogadores sempre que chegam à entrada da grande área: não sabem se hão-de dar mais um ou dois toques, se devem jogar em apoio, se devem aguentar a posse, se devem dar mais uma fintinha. Rematar é que nada. O guarda-redes do Marítimo fez duas defesas em todo o jogo. Duas! Num jogo em que se não houvesse vitória servíamos de bandeja o primeiro tetra da história do Benfica. 

Isto não é o tempo do Eusébio. Podemos invocar todos os Salazariamos, mas à época havia uma verdade insossa: o Benfica era melhor do que o FC Porto. Por isso ganhava mais vezes, por isso estivemos tantos anos sem ser campeões. Nos últimos 30 anos, o FC Porto habituou o mundo a ser melhor do que o Benfica. Mas agora, ver o Benfica ser tetracampeão nesta era? Nestas circunstâncias? Uma equipa que não consegue fazer ponta na Europa, mas que se prepara para fazer um póquer de títulos entre colinhos e campos inclinados? Um Benfica que à 8ª jornada de 2015-16 estava morto e que esta época não mostrou melhor futebol? E ainda assim, vão ser tetracampeões? Chegámos a esta fase: a fase em que o Benfica nem precisa de fazer muito para ser campeão. Ou lhe fazem a papinha, ou o FC Porto não consegue também ele servir um prato à altura. 

Ser 2.º classificado esta época é um superar de expetativas, pelo menos face às análises feitas neste espaço no início da época. Mas ver o Benfica ser tetracampeão desta forma? Inaceitável.  E agora, pagam a fatura os lesados do NES? Não. Porque se há algo que Nuno Espírito Santo fez esta época, foi algo que tem faltado a muita gente no seio do FC Porto: não ficou abaixo das expetativas, pois não era, à partida, particularmente expectável ganhar algo sob o seu comando esta época. A não ser que anseiem pela repetição do ciclo «a culpa é do treinador». 

Pró ano é que é. 

22 comentários:

  1. Mais uma excelente análise. Boa observação nos cantos defensivos.

    ResponderEliminar
  2. O grande responsável por mais um ano horribilis é um e só um, o nosso presidente, pois como este gosta de dizer: "Os treinadores sou eu e só eu que os escolho", portanto não pode assobiar para o ar com se não fosse nada com ele.
    Ele é o responsável pelas escolhas dos nabos, Paulo Fonseca lopetegui, Peseiro e NES. Todos sabemos que será mais fácil um camelo passar pelo buraco da agulha do que o nosso presidente ir embora, só nos resta esperar que desta vez não seja só ele a escolher o treinador e nos apareçam com um realmente digno de treinar o melhor clube do mundo.

    Valdemar Martins

    ResponderEliminar
  3. Pequenas notas de discordância:
    - jogador no poste no canto probabilisticamente tem mais desvantagens do que vantagens (a segunda bola que mete toda a gente em jogo na pequena área)

    - jogador no poste no canto não evitaria o golo do lisandro. O golo não foi de canto directo, foi canto atrasado e o jogador do poste SAIRIA SEMPRE da posição para não colocar toda a gente em jogo

    - mais do que meter gente no poste, o grande erro foi ceder bolas paradas. O Marítimo só criaria perigo por aí. E demos nos primeiros 20min da 2ª parte umas 4-5 bolas paradas por faltas ou cantos cedidos de forma inaceitável para quem está a ganhar. Esse sim o GRANDE MENOS.

    - Layun é um excelente jogador do meio campo para a frente como lateral. É um defesa limitado. Não defendo a sua exclusão da equipa, mas estou longe de defender que seja um defesa de topo. Repito a distinção entre "defesa" e "lateral", não vá isto ser novamente mal interpretado por quem não percebe a diferença. Em suma, é um lateral para jogos em casa com os pequenos, é um 2º lateral para jogos fora onde a contenção pode ser mais necessária (um falso médio).

    - Não sabemos verdadeiramente o que se passou com Aboubakar. Só temos ecos do próprio de amargura e de não querer regressar. A fonte dessa insatisfação até pode ser a direcção, o treinador anterior, o director desportivo... who knows?

    - Lopetegui é melhor treinador do que o Nuno.

    Quanto ao resto, de acordo. Muito pouco para ser campeão contra o status quo que sempre existiu (não é só de agora, mas notamos mais agora quando vamos atrás...)

    ResponderEliminar
  4. Quando se faz a comparação entre Lopetegui e NES convém também não esquecer que o Lopetegui teve muito mais recursos ao seu dispor naquela época: Danilo, Alexsandro, Jackson Martinez, Tello, Casemiro, Quaresma...
    Não estou a defender o NES, que também acho um mau treinador. Se olharmos para a equipa de Villas Boas, por exemplo, também percebemos que se calhar o mérito esteve mais na qualidade do plantel do que no treinador. Embora alguns treinadores consigam extrair mais dos planteis.

    «É penosa ver a hesitação dos jogadores sempre que chegam à entrada da grande área». Sim, é irritante mesmo. Houve dois lances, um em que o Soares não remata na altura certa, e outro em que o Herrera não deixa a bola para o Otávio e começa a passear-se com a bola em frente à área até o lance se perder, que elucidam bem isso.

    Para o ano há mais. Espero é que não seja mais do mesmo.

    ResponderEliminar
  5. Boas.
    Concordo com o texto, se recuarmos até Agosto, 90% dos portistas que de uma forma mais distanciada conseguem analisar a equipa achavam que uma entrada direta na champions era um bom resultado. Em Maio eu acho que face à diferença de opções do plantel do Benfica para o nosso e com o desinvestimento do Sporting em Janeiro era obrigatório esta posição.
    Agora uma coisa é compreender e aceitar, ainda que de forma dolorosa, este lugar, outra é achar que NES tem condições para continuar. Basta ler blogs mais especializados na análise tática para compreender o quão rudimentar é o plano de Nuno, ausência de jogo interior, excesso na procura da profundidade, quase tudo baseado em segundas bolas, duelos físicos, bolas paradas e qualidade de Brahimi. Ser porto não é nos desenhos, nas conferências, nos hastags. Ser porto é assumir o jogo, ter protagonismo e dominar o adversário.
    Por fim a comparação entre Lopetegui e Nuno não faz sentido. Nuno criou atritos com jogadores, algo que o Espanhol não fez ( Quaresma fez uma boa época ) tinha identidade de jogo, e equipa jogava muito, mas muito melhor. De referir que o plantel 14/15 apenas Jacksom e Alex Sandro eram melhores do que o plantel actual, já para não referir o Oliver desse ano comparado com o deste ano, certamente não foi o jogador que desaprendeu.
    Resta-nos que a direção moribunda faça o que nunca fez, despedir o treinado após a 1ª época. Nuno por todos motivos não poderá ser treinador do Porto, porque se continuar, não será em 3 meses que irá mudar o seu "estilo" de jogar e aos primeiros empates para a próxima época ( com Nuno é natural que aconteçam ) será forçado a abandonar e teremos mais uma época com 2 treinadores que seria a 3ª em 5 anos

    ResponderEliminar
  6. De facto é por demais evidente que o FCP está orfão de um grande timoneiro.Um treinador que ganhe jogue jogos taticamente,que seja enérgico e passa essa energia para os jogadores e contagiará certamente os seus apoiantes,que se insurja de forma veemente sempre que é sonegado,que não invente muito,os corredores são para extremos puros!A Direção ao investir que seja seletivo,se um jogador não for uma verdadeira mais valia,não interessa...Quo vadis PCP,quo vadis...

    ResponderEliminar
  7. Não se joga puto com NES. Mas daí a afirmar-se que se jogava melhor na era Lopetegui, valha-nos Santa Engrácia.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E não se jogava queres ver? Lol. Deves ser daqueles que se juntou à festa para mandá-lo embora na segunda época para se ir buscar um que ainda veio fazer pior.

      Eliminar
  8. Mais nada, destaco muito a parte em que fala do Lopetegui, por essas internets fora também o defendi porque acho que foi alvo de contestação sem grande razão de ser, sabia muito mais de futebol do que NES (a forma como Lopetegui ganha o jogo contra o Benfica ao colocar o Osvaldo ao invés do André Silva, podia ter recorrido ao populismo, mas preferiu ganhar), os artigos na altura daqui deram-me a perceber que o seu despedimento se devia a outras coisas que não se viam de fora, mas pronto, a culpa era sempre do Espanhol, muito obrigado por não cair no populismo.

    Já agora pergunto se será feita uma análise aos emprestados, para ver quais é que deverão incorporar o plantel para a próxima época? Há sempre a questão que se impõe ao Ricardo Pereira por exemplo, que poderá ser vendido.

    ResponderEliminar
  9. Perfeito. Há que refletir bem sobre o que se tem passado nos últimos anos no nosso clube e mudar o que se tem feito de errado - caso contrário, estaremos no próximo ano a assistir ao Penta de um certo clube ou a ver JJ a celebrar.

    E, como disse o TDD, isto vai muito além do treinador - NES não é a única peça que tem que mudar.

    ResponderEliminar
  10. À parte da manifesta incompetência de NES tem sido claro que este treinador não tem o discurso que deve ter um treinador "à Porto". É o chamado "banana".. se ficar, ficará contra a vontade dos adeptos e em Outubro sairá com o rabo entre as pernas.

    ResponderEliminar
  11. pois faltou claramente estofo de campeao ao treinador e aos jogadores, no entanto quer me parecer que nao sera so isooo e comeca a faltar algo a tal estrutura, senao vejamos equipa B joga pouco e com folha , que nao inventa e esse e o seu merito, aproveitou a pouca coisa que tem de bom, galeno, as vezes kayambe e varela, os jun A com jogadores de topo tornou se numa equipa ridicula com o atual treinador , os sub 15 uma desgraca e os sub 17 caminham para a desgraca apesar de terem alguns jogadores de futuro. O que se percebe e que as varias equipas do porto sao fisicamente frageis e baixas, preveligiam os passesinhos da posse sem objetividade e claro com outreas equipas agressivas adeus vindima. Na equipa A devem sair, brahimi, teles, maxi, andre2, os mexicanos todos, depoitre, e talvez filipe, alem de jota. Devem entrar 3 jogadores de top mesmo agressivos, fisicamente fortes, rapidos, aproveitar dalot, fernando, rafa, rpedro, galeno, e mais um ou dois que entretanto aparecam. ESTE ANO E APESAR DA ROUBALHEIRA NUINCA FOI TAO FACIL GANHAR O CAMPEONATO , BASTAVA QUERER DENTRO DO CAMPO, SO ISSO.

    ResponderEliminar
  12. 1. Plantel foi mal pensado e planificado. Depoitre quando tínhamos Gonçalo e Aboubakar? Apostar num puto da B como titular e única aposta credível para a posição 9? Pagar milhões por Boly (e para esse não sair do banco) quando Ricardo Carvalho estava livre e podia trazer experiência? Culpa do Nuno? Não. A SAD estava supostamente a preparar esta época desde Abril passado e foi o que foi.

    2. Este estilo de jogo, bolas diretas, passos longos, defesas que chutam a sorte para a frente, médios longes uns dos outros, avançados a formar um monte na área ... ao nível de inteligência de jogo estamos perto do zero. Como disse no artigo, e muito bem, já sabíamos que esse era o estilo de Nuno. A única esperança era ele ter um mínimo de lucidez (já nem digo inteligência) e optar por criar um estilo que adapta-se a equipa e não o contrario. Mas pelos vistos não. Culpa do Nuno claramente.

    3. A culpa era do arbitros? Não. Passamos demasiado tempo a falar de arbitros enquanto as causas são internas. Quando protestamos não resolvemos os verdadeiros problemas. A SAD tinha interesse em assobiar para o lado, mas nos adeptos caímos (mais uma vez nessa) e aí temos culpa. Não somos apenas espetadores, também somos atores e cabe a nos pedir mais e pedir satisfações aos verdadeiros culpados.

    ResponderEliminar
  13. Boas...

    Não poderia estar mais de acordo com o post. Se realmente olharmos para o início de época, o FCP era dado como 3º, a larga distância dos seus opositores. A verdade é que lentamente o Porto foi subindo e encarou o último terço do campeonato com a possibilidade legítima de ser campeão. O resto, enfim, foi o que se sabe, uma mistura de incompetência própria com demasiadas "coincidências" nas arbitragens.

    Penso que com o campeonato fechado está na altura de começar a pensar seriamente já na próxima época. A champions está garantida e os 10 milhões também. Resta definir rapidamente o novo treinador e tratar do plantel o mais rápido possível. Gostaria de ver o L Jardim no FCP, mas com a época que está a fazer em França, penso que será difícil... portanto toca a despachar em arranjar alguém minimamente competente (M Silva é o meu 2º preferido).

    Quanto ao resto do Polvo. Para o ano é começar logo desde início a apertar com eles através do Porto Canal e blogs, para que eles entendam que não podemos deixar repetir este campeonato Salazar, uma vez que foi gozo a mais para o nosso gosto.

    Cmpts

    ResponderEliminar
  14. Completamente de acordo e o problema é que para o ano vai ser mais do mesmo e provavelmente com o NES

    ResponderEliminar
  15. Excelente posto uma vez mais. É duro ver um campeão tão fraquinho. Precisamos do Marco Silva ou Leonardo Jardim, rssss. Já não temos dinheiro para esses, mas NES não é treinador para FCP. Até pré temporada, abraços de Cabo Verde

    ResponderEliminar
  16. Fim de campeonato, de uma forma que já era previsível desde o jogo com o Setubal em casa. Na reta final onde devíamos ter conseguido ganhar estes jogos todos, até admitia perder na Luz, mas ganhar ao Setúbal, Feirense, Marítimo, até ao Braga na situação que está, era e devia ser algo "normal". Assim sendo teríamos mais 8 pontos que atualmente e mesmo perdendo na luz, ainda estávamos em 1º lugar neste momento.
    Enfim, se se se, chega disto. Nova altura de mudar, preocupa que seja o 5º ano em que vamos começar tudo de novo. Se o PDC não contratar um treinador a sério em vez de formar um, nada ganharemos novamente.
    Marco Silva é o eleito, outros nomes interessantes serão Leonardo Jardim ou ainda Pedro Martins que não acho que seja já um tiro no escuro.
    Marco Silva termina contrato no final da época e o Hull até pode não se safar, era muito bem vindo, boa postura, taticamente inteligente, capaz.
    Leonardo Jardim estará com o seu valor inflacionado pela grande época que está a fazer, mas é um otimo treinador.
    Pedro Martins tem tudo o que é preciso também. Otimo trabalho no Maritimo, no Rio Ave e agora no Guimarães. O Guimarães tinha um péssimo plantel e conseguiu dar a volta de forma muito positiva ao longo da época.
    Por fim e vendo a atual direção, parece-me que o próximo treinador será o Jorge Jesus, alguém que é uma péssima pessoa, péssimo profissional, e com o qual não me identifico minimamente. A amizade com o PDC provavelmente fará com que venha, infelizmente. Ponto positivo: a nota artística será vista e pelo menos haverá bom futebol, algo que este ano nunca vi.

    ResponderEliminar
  17. Nuno foi uma desilusão em várias frentes. Mas Nuno não é a causa dos problemas que nos afligem. Nuno é uma das consequências. As outras são a má gestão, a política desportiva desastrosa, o nepotismo, a falta de ânimo e profissionalismo.

    ResponderEliminar
  18. O JJ a dormir percebe muito mais de futebol que NES. Também não sou fã do estilo nem da sua arrogância mas antes isso que os desenhos e discursos ridículos do NES.
    Não acredito que JJ venha para o FCP na próxima temporada, BdC nunca iria permitir, ou fica com ele ou coloca as tais cláusulas anti rival, mas na minha opinião que seria a pessoa indicada, o FCPorto precisa de alguém com experiência, carisma e pulso. Que traga títulos no currículo, alguém respeitável e que potencie jogadores. Basta de experiências falhadas!!

    Infelizmente não acredito que vá mudar e muito menos que seja por um treinador com o perfil que mencionei acima, porque não existem muitos disponíveis e a preços aceitáveis.

    Para terminar, totalmente de acordo com o artigo, penso que para resumir bastava dizer que tivemos 5 oportunidades de passar para a frente e falhamos todas... Isto não é o nosso FCP.

    Cumprimentos
    Neves

    ResponderEliminar
  19. Esquecer de dizer que ainda que Lopetegui tinha muito melhores jogadores do que tem NES...

    ResponderEliminar
  20. o plantel do lopetegui era melhor do que tem nes.. fico parvo.. fabiano melhor do casillas?! maicon melhor do que felipe?!
    nes tem muito melhor plantel do que lopes paulo fonseca e talvez ate melhor do que vitor pereira o problema é mesmo o nes.. soares chegou ao porto em grande forma, passado uns meses esta melhor?evoluiu? assim como quase todos os outros então o deproit é que evolui, na barriga.. o futebol do nes no meu porto mete dó, é tão entusiasmante que a partir de determinada altura preferi acompanhar os jogos pela rádio do que os ver na tv ou no estádio! nes teve todo o apoio do mundo, contrariamente ao seus antecessores, até a imprensa acha nes um óptimo treinador, para o fc porto!só por aqui não acham estranho, o discurso costuma ser outro.. parece-vos nes uma pessoa astuta e inteligente?não quero ofender ninguem mas a mim não me parece!
    deixem se de fanatismos..
    acho que pedro martins poderia ser uma aposta interessante, pelo menos não é um banana e tem caracter e humildade, jesus não por favor para isso luis castro ou manta santos são bem melhores, deixai-o estar no sporting que ele está lá muito bem.. de que o porto precisava mesmo era alguem com experiencia e que oferecessa garantias de bom futebol mas para isso é preciso investir.. a gestão tem sido pouco inteligente mas houve mudanças na estrutura o impacto disso não se notou até agora mas será a primeira época a ser preparada sem antero, estou curioso pois nunca fui muito a bola com ele..
    nem sempre se pode ganhar mas perder e jogar mal é que não pode ser!

    ResponderEliminar

De e para portistas, O Tribunal do Dragão é um espaço de opinião, defesa, crítica e análise ao FC Porto, que aborda a atualidade desportiva e financeira de clube e SAD, bem como do futebol português.

Quem confundir liberdade de expressão com injúria, insulto, mentira ou difamação não passará pelo lápis azul. Todo o spam será apagado. Comentários anónimos são susceptíveis de não serem publicados. Nicknames são permitidos.