quinta-feira, 23 de fevereiro de 2017

Lógica por linhas tortas

Há dias em que o futebol tem lógica. A Juventus é pentacampeã italiana e vai a caminho de um inédito hexa, o que mostra bem que estão numa das melhores fases da história do clube. Só o que Pjanic e Higuaín custaram paga todo o plantel do FC Porto. A Juventus tem um dos melhores plantéis da Europa, com o equilíbrio perfeito entre experiência, maturidade e talento. São técnica e taticamente muito superiores ao FC Porto. Posto isto, a única surpresa para esta eliminatória será a Juventus não passar. Tal como ontem a surpresa seria a Juventus não se impor no Dragão.


Há dias em que o futebol tem lógica. A Juventus é melhor, foi melhor e ganhou o jogo. Não há portista que não entre numa eliminatória destas sem uma pontinha de esperança em vergar a lógica. Foi graças a essa atitude que Viena e Gelsenkirchen, ou Sevilha e Dublin, ou até Tóquio não são apenas nomes de cidades para nós. Mas os argumentos da Juventus são imensamente superiores, a todos os níveis.

Na Liga dos Campeões, o FC Porto já cumpriu os seus objetivos, com uma dose de felicidade já bem generosa: as três expulsões contra a Roma (agora provámos o efeito contrário) e o penalty em Brugge que pode muito bem ter invertido o rumo da fase de grupos. Sem estas incidências nestes dois jogos podíamos nem ter chegado a esta eliminatória contra a Juventus. Isso sim seria preocupante, pois passar a fase de grupos era um objetivo e uma necessidade. A partir daqui, ou se contraria toda a lógica e expetativas, ou acontece o que aconteceu no Dragão: o testemunho de uma equipa superior.

Ninguém pode exigir aos jogadores ou a Nuno Espírito Santo que eliminem uma das melhores Juventus da história. Muito menos quando, ainda há bem pouco tempo, o FC Porto atravessava reconhecidamente uma das fases mais negativas da história do clube. Estes opostos dificilmente terminarão com a eliminatória em festa.

Antes de defrontar a Juventus, o FC Porto tinha que ganhar ao Boavista. Continua a ter que fazê-lo. Não há que pensar em Turim mas sim nos 9 pontos que têm que ser feitos contra Boavista, Nacional e Arouca. A nossa luta é esta e já vai dar trabalho de sobra. 




A organização defensiva (+) - É o único traço verdadeiramente positivo da identidade da equipa esta época. Raramente apanham o FC Porto num momento de descompensação defensiva. Mesmo com dez, a Juventus poucas vezes entrou no último terço em superioridade, as tabelas poucas vezes tiveram consequência e Felipe (muito bem no jogo aéreo) e Marcano foram ótimos na missão possível: afastar a bola da grande área. Quanto à organização defensiva, só se pode elogiar Nuno Espírito Santo. E depois podem puxar pela memória e lembrar-se da última vez que disseram isto: «Naquele ano ganhámos o campeonato porque defendíamos muito bem». Pois.


Brahimi (+) - Do meio-campo para a frente, tudo o que de bom pudesse acontecer teria que nascer dos pés de Brahimi. Foi ele o único a tentar algo enquanto esteve em campo: seis dribles em progressão, nove duelos ganhos, um dos três remates do FC Porto (nenhum à baliza) e o único capaz de mostrar alguma habilidade na procura da baliza da Juventus. Com a sua saída desapareceram de campo as únicas ideias do FC Porto para tentar chegar ao golo. 

Herrera (+/-) - Não pela exibição, mas por aquela velha frase de que uma imagem vale mais do que mil palavras. O estado do pé de Herrera é sugestivo. Não o viram a queixar-se, não pediu para sair. Aguentou, não virou a cara à luta e honrou a braçadeira de capitão que tinha no braço pela sua atitude. Também é por isso que é capitão: um estatuto que tem que ser reconhecido e compreendido pelo treinador e pelos colegas, não pelos adeptos. Quem acha que esta atitude não é significativa talvez tenha o cérebro em pior estado do que o pé de Herrera. 




A ausência de Óliver (-) - Esta Juventus tem um rosto: Pjanic. Que delícia é vê-lo jogar. Todo o futebol da Juve passa por ele: seja no passe curto, na progressão, na variação de flanco ou no momento de esticar o jogo. Sem Pjanic, esta Juventus não seria a mesma. Uma espécie de FC Porto sem... Óliver.

Não havia ponta de fio de jogo no FC Porto do meio-campo para a frente, mesmo antes da expulsão de Alex. Ninguém a saber tratar a bola, a perceber o momento para a soltar, para apoiar, para solicitar os colegas. Nada. Ou Brahimi ia para cima dos defesas, ou nada acontecia. Não houve um único passe nos últimos 35 metros para situação de finalização - o mais próximo disso foi o cruzamento de Layún para Herrera. Nada. Não iam ser Danilo, Rúben ou Herrera a consegui-lo. E mesmo que André Silva tivesse continuado com Soares na frente, dificilmente haveria capacidade para imaginar uma jogada que desmontasse a organização defensiva da Juve.

Percebe-se a intenção de NES: quis jogar para o 0x0 e esperar que, em Turim, o FC Porto tivesse o espaço desejado para as transições rápidas e explorar o espaço em profundidade. Mas podem contar pelos dedos das mãos as vezes em que apanham a defesa da Juve em contra-pé, seja no modelo em que jogaram ontem, seja no esquema de três centrais. Não funcionou. 

O FC Porto anunciou a compra do passe de Óliver a 9 de fevereiro. Desde então foi três vezes para o banco, e ontem nem de lá saiu. Dá para compreender esta gestão de recursos? A SAD anuncia a compra do ativo mais caro da história do clube (a par de Imbula), e logo a seguir Óliver deixa de contar como titular para NES? Querer encontrar a melhor versão desde FC Porto sem Óliver é algo que nunca baterá certo. 

O abandono a Soares (-) - Soares estava a fazer a sua estreia na Liga dos Campeões. Há confiança pelos golos que marcou recentemente, mas ter que jogar contra Chiellini e Barzagli é um pouco diferente do Campeonato português. No momento da expulsão de Alex Telles, a decisão seria sempre difícil para NES. Saiu André Silva, mas a forma como Soares ficou completamente desamparado no ataque foi deveras preocupante. Pediram-lhe o impossível. Soares não seria nunca uma solução para jogar em profundidade, o que já retirou metros à equipa. Houve uma clara tentativa de colocar Soares a segurar a bola, mas depois o apoio nunca chegava. Isso fez com que Soares fosse o jogador com mais perdas de bola em campo, só tivesse arrancado 2 faltas (crítica extensível a toda a equipa - com 10, o FC Porto tinha que procurar os lances de bola parada), não tenha ganho nenhum lance de 1x1 e nem um esboço de remate para amostra. Sem culpas no cartório: Soares ficou sozinho no ataque para tentar ser o que não é. É mais um ajudar, mas não alguém que vai resolver tudo sozinho. Não é Hulk, é Soares. Não queiram fazer dele um salvador da pátria. O resultado esteve à vista: Casillas levou para casa uma camisola de Buffon sem pinga de suor.

Uma noite má (-) - Todos os jogadores têm noites más. E se calhar foi melhor tê-la contra a Juventus do que contra o Boavista. Mas algo se passou com Alex Telles, que fez 27 minutos irreconhecíveis para um jogador da sua já demonstrada valia. 8 perdas de bola, 7 passes falhados, 3 faltas e uma única chegada aos últimos 30 metros. Foi mau, ele sabe que foi mau, mas há que assumir que foi apenas isso: uma noite má, como calha a todos. Uma reação contra o Boavista será bem vinda, Alex. O outro Alex, que estava do outro lado, andou meses a ouvir coisas bem menos simpáticas nos seus primeiros tempos no FC Porto. 

Faltam 12 jornadas para o final do campeonato e é nelas que o FC Porto tem que pensar. Talvez nem o melhor FC Porto chegaria para bater esta Juventus. Mas no Campeonato português, mesmo sem o melhor FC Porto, estamos na luta e a depender de nós próprio. Talvez mais «apesar de» do que «graças a», mas as contas do campeonato são as mesmas: dependemos de nós próprios para chegar ao título. E não há o risco de aparecer nenhuma Juventus pelo caminho.

27 comentários:

  1. Sublime, once again. No FC Porto tem que ser Danilo, Óliver + 9. Isto deveria ser óbvio de perceber para qualquer ser humano.

    Confiante na conquista do campeonato, "apesar de" NES apostar num modelo de jogo obsoleto para um Clube da nossa Dimensão.

    ResponderEliminar
  2. Já começo a achar o mesmo que muita gente aqui, há uma obsessão pelo Herrera. Foram várias as vezes em que ele demorou eternidades para passar a bola, uma delas bem ridícula porque não percebeu que tinha o Maxi ainda mais à direita a correr corredor fora e, quando passou, já o Maxi tinha parado e o lateral da Juve em cima. Não há como enganar, é lutador? Sim, é. Mas não vai passar disto. Aliás, é daqueles que, em termos de evolução, evoluiu zero!! Vejam vídeos dele quando chegou e vejam jogos agora e digam-me em que é que ele evoluiu?! Nada. Até o Mariano parece ter evoluído, nem que seja psicologicamente. Para mim, e vale o que vale, ele e o Andrex2 não têm categoria para uma equipa de topo como o FCP. Como também já foi dito aqui, só "ser da casa" não é tudo e vários exemplos disso mesmo.

    De resto, é mais do mesmo. Não tínhamos que ganhar a esta Juve com esta equipa, mas estou cansado de ver que não queremos assumir o jogo e jogá-lo. Esperamos a ver se os outros nos deixam fazer alguma coisa. Seja a Juve ou seja o Tondela, é sempre a mesma coisa. E sim, já sei que ao contratar o Nuno, não se pode pedir muito mais. Este FCP pode ter alma, mas falta-lhe muita coisa que, ou estou muito enganado, ou não dará para vencer o campeonato.

    Talvez seja frustração da minha parte de tantos anos a ver navios, mas é de mim ou o 1º golo não é bem um ressalto, mas sim uma asneira do Layun? É que não foi à queima... Aliás, não sei o que se passa com Layun, mas que não parece o mesmo desde a lesão e/ou notícias da possível saída para a China e os seus milhões... Pode ser só frustração.

    ResponderEliminar
  3. Não concordo que esta seja a Juve mais forte de sempre. Não vejo algum jogador que encha o olho, mesmo que sejam caros. Pogba também esteve na Juve e diziam maravilhas - na final de Paris foi comido pela selecção de Alcochete. Alguma vez o Pogba valia aquilo que o MU pagou? O caro não é sinónimo de excelência. Acho é que o futebol italiano anda muito fraquinho e a Juve é só mais competente que os outros. Muitos clubes endividados e sem guito para grandes aventuras. Mas atenção o SLB é o 2º mais endividado e está à frente da Juve.

    Esse argumento não serve para justificar a provável eliminação do FCP. A Juve tem um plantel caro mas não é um colosso. O "problema" é que o FCP teve o "azar" de apanhar neste jogo um árbitro a sério (não benevolenteo), ao contrário de outros jogos como o Tondela. A expulsão de Telles foi justíssima e condicionou a estratégia do Nuno.

    Este é que é a verdade, doa a quem doer.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não vi/li ninguém aqui a pôr em causa a justiça da expulsão. Aconteceu, é a vida, deal with it.

      Esta Juventus é capaz de ombrear com qualquer uma das restantes equipas em competição, incluindo Bayern, Real, Barça, PSG, MC, etc. Pode ganhar e pode perder, mas será sempre jogo de tripla. Não é um colosso? Ok...

      Eliminar
    2. A verdade de quem vende uma mentira num coro de velhas virgens, ofendidas e coradas de um vermelho fétido de quem tem as mãos tão sujas como as partes baixas, cheias de teias de aranha pela falta de asseio?
      A arbitragem com o Tondela foi fraca. Demorou a expulsar o Osório. Marcou um penálti e deixou outro por marcar. Se acha algum duvidoso, pode até o ser, mas é muito falta do a escorregadela do André Almeida na área do mesmo Tondela.
      Também deve achar o Soares agressivo; é que o rapaz é fã do Samaris, do Eliseu, do Pizzi, mas claro, não lhes chega aos calcanhares. Até o Maxi teve que aprender que aqui não há Colinho. Para quem foi sodomizado pelo Dortmund mais fraco dos últimos anos, enche a boca com muita facilidade.

      Eliminar
    3. Não é um colosso???
      Buffon
      Lichtsteiner(Dani Alves)
      Chiellini
      Bonucci(Barzagli)
      Alex Sandro
      Khedira
      Pjanic
      Cuadrado
      Dybala(Marchisio)
      Mandzukic
      Higuain

      "I rest my case"

      Eliminar
    4. Não, não é.

      Helton
      Sapunaru
      Otamendi
      Rolando
      Álvaro Pereira
      Fernando
      Fredy Guarín
      João Moutinho
      Hulk
      Varela
      Falcao

      Diz-lhe alguma coisa esta equipa?
      O que mudou não foram os outros, fomos nós: de equipa ganhadora passamos a equipa de boas-festas e de adeptos exigentes passamos a adeptos de vitórias morais.

      `I rest my case'

      Eliminar
    5. O que é que uma antiga equipa do Porto (ou outra qualquer, para o caso) tem a ver com o facto da Juventus ser ou não um "colosso", hoje em dia? Podemos discordar, mas, se argumentarmos, convém ser com alguma lógica...

      Eliminar
    6. Presidente da Junta, daqui a uns anos quando os atuais jogadores do Porto jogarem em colossos europeus estarás a fazer o mesmo com o plantel atual. É preciso analisar os jogadores e não as camisolas que eles envergam.

      Eliminar
  4. O meu cérebro, que consta ainda estar em condições mínimas de funcionamento, relembra-me que, tendo jogado futebol a brincar (mas não no Damaiense), sei que o pé, prensado nas meias, ligaduras e chuteiras, dificilmente se ressente de uma golpe deste género até que volte a respirar sem aqueles espartilhos. Dói muito na altura da pancada, mas passa com o spray. Aliás, não o vi mancar sequer uma vez depois desse lance.

    Em contraste, vi-o a jogar como um manco durante noventa e poucos minutos. É só fazer as contas.

    De resto, perdemos naturalmente, amplificado pela expulsão. O que interesse mesmo é ganhar ao Boavista.

    Abraço Portista

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Consegue então "fazer as contas" que demonstrem a teoria de que jogou como um manco durante os noventa minutos?

      Eliminar
  5. E agora eu pergunto, no momento da expulsao do Telles, quem poderia sair, para entrar Layun?

    Seria o Soares, e ficava o André Silva?

    Se a resposta é positiva, pergunto, o André tem a capacidade de segurar bola, e esperar apoios? O André tem a fogosidade e a força do Soares para fazer pressão, e ainda tentar criar desequilibrios?

    Opinião pessoal, a entrada do Layun e a saída do André foi a mais assertiva!

    Custa-me "ouler" um opinião sobre uma partida, supostamente a abordar questões técnicas, ou tácticas, e posteriormente vir à baila o custo do Oliver, do Manel ou do Quim, a ideia é mesmo fazer uma leitura do jogo, ou fazer outra leitura financeira que nem passa pelo jogo?

    Felipe, Boly, Alex Telles, Oliver, Otavio, João Teixeira, Jota, Soares e Depoitre. O FC Porto entre reforços, emprestados, e regressados, registamos 9 novidades no actual plantel, todavia, com mais de 1000 minutos registados, maioritariamente como titulares somo os seguinte nomes: Felipe, Telles, Oliver, Otavio, Jota e Soares (brevemente atingirá numeros de "titular"), portanto, registo 6 "titulares" ou reforços, neste actual plantel do FC Porto. Inversamente, Boly, João Carlos e Depoistre, acumulam minutos residuais. E fica uma pergunta para "malharem", qual a Equipa na Europa, que contratou 9 Atletas, porém 6 deles registam minutos jogados de titulares? Alguma Equipa na Europa regista esta taxa de assertividade?

    Higuain custou 90 M€, o plantel do FC Porto tem justamente esse custo a rondar os 90 M€, e não há milagres, nem com a irmã Lucia!

    PT

    ResponderEliminar
  6. Boas...

    É com alguma tristeza e algo resignado que escrevo hoje aqui. Realmente o futebol tem dias em que é justo e cruel. O FCP, em condições normais nunca ganharia a esta Juventus, mas com menos um em campo então ja era impossível...

    Eu acho que esta Juventus tem tudo para fazer uma boa figura este ano na Champions (à imagem do Atlético nos últimos anos) uma vez que tem nos seus quadros jogadores claramente entre os melhores do mundo. Higuain pouco espaço teve ontem, mas quando o conseguiu partiu os rins ao Felipe e quase que marcava ao ângulo. Alex Sandro trouxe saudades enormes ao Dragão do seu talento, Dybala é fantástico e Pjanic nem se fala.. Enfim, uma equipa no verdadeiro termo da palavra que veio ao Dragão colocar-nos no nosso lugar.. É a vida...

    Do nosso lado gostaria de enaltecer o trabalho de Brahimi a defender. Acho que não o via correr assim há muito tempo e isso é bom sinla para o que aí está para vir. Só com o melhor brahimi o FCP pode ter esperança em ser cmapeão. Layún está claramente com a cabeça no ar e não gostou de passar a suplente, portanto é despacha-lo o quanto antes e ir buscar o Ricardo Pereira.

    Agora venha o campeonato, que é onde podemos ainda causar alguns calafrios à associação recreativa do Seixal...

    Cmpts

    ResponderEliminar
  7. “uma das melhores Juventus da historia”?
    Mas vocês tem 10 anos de idade? Eu lembro-me de uma Juventus nos anos 90 com Thuram, Deschamps, Conte, Vialli, Trezeguet, Inzaghi, Davids, Roberto Baggio, Nedved, Del Piero, Zidane…e esta é uma das melhores Juventus da historia? Digam antes que desde ha uma década para ca temos o pior campeonato italiano desde que ha memoria.

    Se tivessemos ganho por meio a zero eramos uns papoes e tinhamos tudo em aberto, agora somos outra vez os coitadinhos e a culpa é de estarmos aquí à beira mar plantado ao som do fado. Digo-vos ja, resido no estrangeiro e ontem ao falar antes do jogo com malta apaixonada de futebol (franceses, alemaes, ingleses e até italianos) o mais certo era a Juventus passar mas todos estavam de acordo em que o FCP ia complicar a vida e ganhar no Dragao (e consoante a vitoria porque nao até pasar? A bola é redonda para todos). O mais comico disto tudo até era eu, como adepto do Porto, o mais pessimista (ate porque tenho visto os jogos todos esta época e sei que esta equipa é de evoluçao/estabilizaçao). Agora ao ler o vosso discurso aqui é como se a coisa ja tivesse perdida desde o sorteio. As vezes vemo-nos mais pequenos do que somos. E o mais comico é que temos o mesmo numero de Champions do que a Juventus. E eles sao enormes, eles sao ricos e eles sao maus mas afinal borraram-se todos para empatar com o Lyon e quase de certeza se apanharem uma equipa fresca com transiçoes rapidas na próxima eliminatoria arrumam para um canto em 45mn.

    O jogo de ontem em Turim ainda entendia, agora no Dragao? E andamos aqui a apregoar que somos a fortaleza? Ok, houve uma expulsao (o Alex Telles complicou a sua ida à selecçao italiana). Ok ha que continuar e o Boavista tem de pagar a factura. Mas por favor, sejam objetivos e deixem-se do discurso dos coitadinhos e melhor nao era possivel : ha tres anos ajoelhamos um Bayern no Dragao muito mais forte que esta Juventus. Pensem nisso. Sao sempre 11 homens contra 11 homens. E nao, apesar de respirar Porto nao acredito que vamos ganhar a Turim 0-3 porque ai sim, a experencia da defesa e do Khedira, nem a jogarem a 10km/h, vai fazer toda a diferença. E nao é todos os dias que se apanha uma Roma com erros amadores.

    Vocês sabem qual é o “meu” (e nosso) Porto? Foi “aquele” que jogou terça em Manchester e que perdeu 5-3. Até parece que é treinado por um português. Que vontade, que “ganas” de jogar e ganhar. Até ressuscitou “mortos” (Falcao) e esta a incubar craques. Perderam, mas de certeza que os adeptos do Monaco ganharam algo: é inexplicavel, so sendo portista nos anos 2003 e 2004 é que pode explicar isso

    Chiça parecemos umas avestruces sempre com a cabeça metida na terra ao primeiro desaire! Levantemos a cabeça e nao somos uns pobrezinhos.

    p.s – Golpe de génio de NES ao poupar Oliver, Otavio e até André André para o Bessa.

    p.s 1 – Peço desculpa pelos erros de ortografia, escrevo com um teclado azerty.

    ResponderEliminar
  8. De acordo, pensar em Turim depois de 9 pontos no bolso. O que é diferente de não voltar a pensar nisso. Isto é o FCP, indomável, imortal, para além de azul e branco. Perdemos quando perdemos, nunca antes.

    ResponderEliminar
  9. Não entendo a obsessão de jogar com dois avançados, porque não jogar com um médio mais próximo de um só avançado, utilizando o Neves e o Danilo a 2 no meio campo ? Imaginem o Oliver, Otávio, Corona, Brahimi a jogar nas costas de um avançado utilizando a definição/finalização que possuem que é bem superior ao André Silva ? Eu até percebo que se possa perder um bocado na primeira zona de pressão, mas sinceramente gostava de ver um4231 em vez de um 442. É que André Silva na função que desempenha actualmente não é superior a qualquer um dos 4 que enunciei anteriormente.

    ResponderEliminar
  10. Boa crónica. Muito bem na questão do Oliver, que não se compreende de todo que desde que foi "comprado" deixou de contar e perdeu o lugar para R. Neves e A. André. Quanto à expulsão de A. Telles, o jogador revelou uma inexperiência atroz e que teve consequências enormes para a equipa pois a partir desse momento foi aguentar até aos 90 minutos. Custou-me ver foi A. Silva novamente a ser sacrificado, aliás tem sido sempre assim desde que chegou Soares e não vejo grande sentido porque se Soares tem mais "físico" tecnicamente deixa muito a desejar e se calhar se o A. Silva tivesse ficado em campo era um importante apoio a Brahimi e com mais requisitos técnicos. Esta obsessão por Soares é inexplicável porque é um jogador que não tem experiência internacional e ainda a habituar-se a jogar numa equipa grande, ao passo que A. Silva é tecnicamente muito superior e apesar de mais novo, tem muito mais experiência. Por fim, referir aquela imagem de A. Silva no banco e esperar que NES possa gerir melhor a situação de um jogador que era adorado e passou a ser "dispensável" do dia para a noite, e para um jogador que não é melhor que ele!

    ResponderEliminar
  11. O regime de JJ eliminou a Juventus...Juve sem Higuain, Dybala ou Pjanic mas com Tevez, Pogba e Vidal, sem Allegri mas com Conte.
    Podemos mentir quantas vezes quisermos mas a realidade é so uma, afundaram.nos, e hoje somos muito mais irrelevantes, ja fomos grandes...hoje reagimos a este resultado como reagiria um adepto do Sp. Braga.
    Um processo de morte e enterro anunciado, onde os adeptos desculpam tudo para continuar a fingir q esta tudo porreiro.
    Dortmund o ano passado e Juventus este ano é a imagem dum clube q nem espirrar consegue...não me lembro de me sentir tao arrasado, ontem fiquei convencido de vez q o FCPorto orgulhoso e forte é uma memória.

    ResponderEliminar
  12. Mourinho disse qualquer coisa do género "em condições normais seremos campeões e em condições anormais também seremos condições". Não sou tão direto, mas com a atitude de ontem (dos jogadores e dos adeptos) seremos campeões em condições normais. Só mesmo condições muito anormais nos podem tirar o título.
    Ontem vi FCP! Ontem vi o tal ser Porto...na luta, na raça!

    Perdemos, ficamos tristes, não dormimos lá muito bem, mas foi mais um jogo para ganhar uma equipa. Esta equipa não se rende!

    ResponderEliminar
  13. Incrível a obsessão pelo Herrera. Já se tornou anedótico...

    ResponderEliminar
  14. Sobre esta eliminatória nada a dizer. Ficou condicionada pela expulsão do Alex Telles aos 27 minutos. Se o Porto tinha aguentado o nulo até ao fim, ou mesmo só o 0-1, ainda haveria esperança. Assim resta apenas ir a Turim tentar ganhar uns milhares com o empate ou com uma vitória inconsequente para a passagem.

    O Porto tem de se focar no campeonato.E o que me preocupa são duas coisas.
    Primeiro os adeptos do Porto que continuam a puxar a equipa para baixo com os seus habituais bodes expiatórios de estimação. Parece que ainda não aprenderam a lição com 3 anos de seca.
    Em segundo uma incapacidade da equipa/treinador de ler o jogo e optar imediatamente pela melhor abordagem ao jogo. Por incrível que pareça a Juventus entrou no jogo ontem menos pressionante do que o Sporting há umas jornadas atrás. O Porto teve mais espaço para sair a jogar em toques curtos do que contra o Sporting. No entanto a tática usada foi a mesma: futebol longo. Contra o Sporting o Porto até marcou assim o primeiro golo e a verdade é que essa era uma das únicas maneiras possíveis do Porto marcar naquele jogo, para além do contra-ataque (2º golo), porque o Sporting estava a assumir o jogo e a tentar condicionar a saída de bola do Porto. Mas nesse jogo era previsível que isso fosse acontecer porque o Sporting tinha ali a última palavra na luta pelo título.
    Mas contra a Juventus não foi assim. A Juventus não precisava de assumir as despesas de jogo e não entrou nem com um bloco muito alto nem muito pressionante. Então porque é que ninguém (fosse o treinador ou os jogadores se tivessem liberdade para tal) leu o jogo e percebeu que o Porto tinha espaço para construir curto e ter bola?

    ResponderEliminar
  15. Caro amigo Tribunal do Dragão
    Subscrevo quase totalmente o seu post, mas...:
    1 - Na minha opinião NES não tem unhas para tocar a guitarra do FCP...
    Um treinador competente tipo Marco Silva, (para já não falar em Mourinho) com o actual plantel, faria muito melhor e teríamos a equipa portista a jogar em grande, duns para os outros de olhos fechados (automatismos). Nos jogadores, o talento está lá, só falta alguém competente que seja: bom estratega e bom psicólogo, que saiba treinar (metodolgia do treino, táctico e individual), motivar, organizar e liderar.

    Um abraço
    Armando Monteiro,
    https://dragaoatentoiii.wordpress.com/

    ResponderEliminar
  16. Não há nada de lógico no que aconteceu ontem, embora o que aconteceu fosse previsível: o Porto é hoje, e isso estende-se a grande parte dos seus adeptos, uma equipa que se esqueceu de si própria, da sua História e do seu DNA.

    O Porto que eu sempre conheci só pode ter uma atitude: entrar para ganhar, sem complexos, a qualquer equipa deste mundo. Tudo o mais é conversa de perdedores. Foi este espírito de dragão e não de `andrade' que nos deu Viena e Gelsenkirchen, Sevilha e Dublin. Ontem, a Juventus ganhou por falta de comparência, apenas isso.

    Treinador medroso dá em jogadores com medo, mas a grande tragédia é quando os adeptos começam a alinhar nesta falta de exigência. O Porto ganhar à Juventus não é lógico? Digam isso a Madjer, Futre, Juary, Frasco, Geraldão, Celso, Domingos, Kostadinov, Lisandro, Lucho, Deco, Derlei, Falcao, Hulk, André, Eurico, Lima Pereira, João Pinto, Drulovic e tantos outros que ganharam grandes jogos europeus porque não tiveram medo de ser melhores e não se desculparam com o orçamento, e vão ver a resposta que levam.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Exactamente, NES não tem espírito de conquista, ponto final. É treinador de equipa pequena, a única vez que entrou a pressionar alto esmagou o carnide esta época. Bastava comparar este jogo com o do Bayern de Munique, quanto a mim muito mais poderoso que esta Juve.

      Eliminar
  17. Um bom texto, como sempre.

    Eu não exigia ao Porto que ganhasse à Juventus, mas pedia uma outra prestação e, sobretudo, outra atitude. No Dragão a nossa obrigação era atacar e tentar ganhar o jogo. O que tínhamos a perder? Apesar de termos sido eliminados pelo Bayern há dois anos (e com uma derrota pesadíssima na segunda volta), a vitória em nossa casa foi uma das grandes noites europeias do FCP. Porque não tentámos igualar essa prestação? São jogos como esse que afirmam a nossa reputação na Europa e que motivam os nossos jogadores e adeptos.

    Comparada com o ano passado, esta equipa está bem melhor e, apesar do plantel ter melhorado, NES também contribuiu para essa melhoria. Mas o ponto de partida era muito mau. Para mim, NES não é um treinador para o Porto. As mudanças constante de sistema, da táctica e da composição do meio-campo revelam a falta de clareza das suas ideias. Infelizmente, deixámos dois treinadores portugueses com grande potencial (Leonardo Jardim e Marco Silva) irem para a Europa dos milhões. Temo que não voltem tão cedo.

    ResponderEliminar
  18. Já lhe "disse" mais do que uma vez e volto a "dizer": pouco me importa a não publicação dos meus comentários, mas acho estranho que, em detrimento de quem é um verdadeiro portista, dê mais enfase e valor a reacções dos Ya Ya infiltrados que vêm aqui, acima tudo, provocar e não opinar. E porquê? Por escrever que aos desonestos lhes partia o focinho? É verdade, porque aos sonsos pseudemocratas ofereço-lhes o meu desprezo. Se Eça, no seu tempo, dizia que, se necessario, dava "umas boas bengaladas" aos cínicos e hipócritas se lhe atravessassem o caminho, também eu, á minha maneira e com toda a elevação e podendo, darei uns bons sopapos aos desonestos que obstruam a minha vida ou possam gerar conflitos desnecessários.
    Passe bem.

    ResponderEliminar

De e para portistas, O Tribunal do Dragão é um espaço de opinião, defesa, crítica e análise ao FC Porto, que aborda a atualidade desportiva e financeira de clube e SAD, bem como do futebol português.

Quem confundir liberdade de expressão com injúria, insulto, mentira ou difamação não passará pelo lápis azul. Todo o spam será apagado. Comentários anónimos são susceptíveis de não serem publicados. Nicknames são permitidos.