sexta-feira, 29 de abril de 2016

Paixão até ao fim

O FC Porto já está fora da luta pelo título, mas há fenómenos interessantíssimos que não podemos deixar de observar. Como por exemplo, nas nomeações para a 32ª jornada do campeonato, onde se pode decidir a luta pelo título.

É bom lembrar que estamos nas últimas semanas do reinado de Vítor Pereira, que anteriormente explicou que as nomeações têm em consideração a «graduação de Normal, Médio e Difícil» quanto à dificuldade de cada jogo, tendo sempre em conta «a classificação, a rivalidade e factores recentemente ocorridos».

Face à conjuntura para estas jornadas, tanto o FC Porto x Sporting como o Benfica x Vitória SC são jogos de grau de dificuldade difícil. Teoricamente, quem são (ou deveriam ser) os melhores árbitros? Os internacionais. Por isso Vítor Pereira admitiu o princípio de nomear os árbitros internacionais para os jogos de máximo grau de dificuldade.

Ora, para o Dragão foi nomeado Artur Soares Dias, internacional e eleito o 2º melhor árbitro da época passada (atrás de Jorge Sousa). Trata-se até de um árbitro já experiente em clássicos, apesar de já ter sido muito criticado de parte a parte, com mais ou menos razões para isso. 

Já para o Benfica x Vitória SC... Não foi nomeado nenhum internacional. Dos 8 árbitros internacionais da FPF, não escolheram nenhum: a escolha foi Bruno Paixão, que perdeu as insígnias de internacional em 2012, após ter ficado por duas vezes abaixo do 12º lugar da lista de melhores árbitros. Na altura recorreu aos tribunais, alegando que era uma injustiça. De facto, que grande injustiça que foi: em 2012-13 foi 12º e em 2013-14 cometeu a proeza de ser 20º classificado, um dos piores árbitros do ano em Portugal.

Já em 2014-15, numa época atípica em todas as classificações de árbitros (basta lembrar que o árbitro escolhido para a final da Taça, Marco Ferreira, na altura por ter feito uma boa época, acabou por ser despromovido de categoria), Bruno Paixão ficou no top 12. E isso já se consegue justificar, pelos regulamentos, a sua nomeação para a próximo jogo do Benfica.

Pois os regulamentos, embora recomendem a nomeação de árbitros internacionais para os jogos de grande dificuldade, incluem a possibilidade de chamar um árbitro do top 12 da época anterior. Mas sendo Bruno Paixão, segundo uma acusação do próprio Sporting, benfiquista, a nomeação não deixa de ser discutível por todos os motivos. Até pelo próprio saldo do Benfica a jogar em casa em jogos arbitros por Bruno Paixão.

Em 12 jogos com Bruno Paixão na Luz, o Benfica venceu os 12. Além disso, Bruno Paixão apitou uma única vez um jogo entre Benfica e Vitória SC em toda a sua carreira. O resultado foi este:


Vítor Pereira e o Benfica levam a sua Paixão até ao final. Não vá ela ser necessária no último suspiro.

PS: O timing do Football Leaks volta a ser deveras interessante. Quando divulgaram o mapa da percentagens de passes do FC Porto, já tinha sido levantado o véu da condição contratual de Tony Djim. Mas na semana passada colocaram o contrato na íntegra com a Danubio GMBH, empresa ligada a Luciano D'Onofrio e que tem estado envolvida em todos os jogadores que chegam do Standard Liège (Bolat, Opare, Kayembé, irmãos Djim), fica com percentagens de passes e cobra grandes quantias por jogadores que chegam livres de qualquer contrato ao FC Porto. 

Quase como que a adivinhar uma iminente renovação, o Football Leaks publicou o contrato que mostra que a partir do momento em que Tony Djim renovasse, o FC Porto teria que comprar 10% do passe por 1M€, avaliando assim Djim, com pobres resultados na relação tempo de jogo/rendimento, em 10M€. Tony Djim, à data de hoje, não vale sequer um décimo desse valor, nem mostra potencial que justifique a sua compra nestes moldes. É sem dúvida um jogador empenhado, mas que não se faz destacar por nada mais que a sua capacidade física nos sub-19. 

Se Tony Djim está já avaliado em 10M€, então quanto custarão os bem mais talentosos Gleison e Ismael Díaz? Se fizer 5 jogos na equipa A, a SAD, segundo o contrato que foi divulgado (não sabemos se houve alguma adenda ou modificação face ao que foi assinado em 2014), tem que pagar mais 1.5M€ por 20% do passe. Provavelmente Djim não chegará a fazer esses jogos, à imagem de Generoso, mas confirmando-se estes valores trata-se de um negócio sem cabimento nem pertinência, tal como tem sido esta ligação à Danubio. O Relatório e Contas provavelmente pouco ou nada dirá desta operação, tendo em conta que também não foi nada esclarecedor no caso de Célestin Djim (nunca foi clarificado quanto a SAD pagou por ele - o tal 1M€ por 10% antes da venda -, nem sequer especificaram que foi vendido com Carlos Eduardo para as Arábias). O outro irmão Djim tem 12 minutos ao serviço do Metz em França. Há idas à casa-de-banho que demoram mais tempo.

A Tony Djim a melhor sorte (o rapaz é o último culpado, pois não obrigou ninguém a contratá-lo ou a pagar por ele, e tem o sonho de ser um bom futebolista, como todos os outros), pois há muita gente a depender da sua evolução. Por exemplo, Luciano Djim, 37 anos, já criou 4 empresas diferentes (Nutrilite, Sport Promotion, World of Sport e Luciano Djim Soccer Talents Management), todas com o mesmo número de telefone, mas todas elas não parecem/pareceram passar de projetos de pouca dura. 

Luciano Djim com Dominique D'Onofrio, irmão de Luciano D'Onofrio
Esta foi a primeira renovação de contrato anunciada desde a reeleição do Conselho de Administração para um novo mandato. Está dado o pontapé de saída para o futuro. 

quarta-feira, 27 de abril de 2016

Semana de clássico

Isto deveria ser uma não-questão, mas infelizmente não parece ser. Há antis em todos os clubes, e não gostar do Benfica ou do Sporting é natural face à histórica rivalidade que existe. Mas há algo que vem em primeiro lugar: o FC Porto. E depois do FC Porto, vem o FC Porto. E depois sim, então vem o... FC Porto.

O 3º lugar da liga está garantido e a luta pelo título já não diz respeito ao FC Porto. Mas é natural que alguns portistas possam ter alguma preferência final, ou porque têm um amigo benfiquista, ou porque têm um tio sportinguista, ou porque detestam mais um do que o outro. A cada um as suas razões.

Se alguém preferir que o Sporting seja o campeão está no seu direito. Agora, desejar que o Sporting seja campeão, sabendo que isso implica uma derrota do FC Porto pelo caminho, seria, como já aqui foi defendido, o maior atestado de pequenez da história do clube. Provavelmente este vídeo, onde há sportinguistas a vibrarem com o golo de Kelvin, envergonha muitos adeptos do Sporting, que não se reveem nisto. 

Portistas antes de antis
Mas naquele jogo não estava implicado o Sporting. Neste caso, para o Benfica ainda ter hipóteses de perder o título, então isso implica que o FC Porto tenha um mau resultado perante o Sporting. E não é tolerável que nenhum portista admita isso. Qualquer portista, seja um grupo de adeptos anónimos ou a maior claque do FC Porto, podem preferir que o Sporting seja o campeão; mas não podem admitir, nem incentivar a outra coisa que não seja uma vitória do FC Porto no clássico. Não é «não querem o Benfica campeão». É «querem que o FC Porto ganhe ao Sporting». Se não, declarem-se anti-benfiquistas antes de portistas. 

O clássico de 2009-10, em fim de época frente ao Benfica, também já não ia valer nada em termos pontuais ao FC Porto. Mas foi o pontapé de saída para uma grande época, pois o jogo foi uma prova viva de que o espírito de dragão estava vivo; com 10 desde os 50 minutos, o FC Porto venceu, impediu a festa do Benfica e Belluschiiiiiiii fez um jovem comentador inglês atingir o clímax durante o relato. Este clássico com o Sporting é a oportunidade de o FC Porto deixar uma afirmação de força para a próxima época. 

E em semana de clássico, vamos apimentar as coisas, começando por um pequeno exercício: Lopetegui tinha um contrato de 3,37M€ por três épocas. Quando o FC Porto eliminou o Basel na Champions, a SAD ganhou 3,9M€. Agora imaginem que Lopetegui, no final do jogo, diz isto: «Ya he pagado todo el dinero que el Oporto me va a pagar hasta el final del contrato. No necesito hacer nada más en Oporto». 

Basicamente, todos os portistas teriam mandado Lopetegui para o c***lho País Basco. Se Lopetegui dissesse, com a vitória sobre o Basel, que já tinha pago todo o dinheiro que o FC Porto lhe ia pagar nos 3 anos de contrato ficaria de imediato em fogo cruzado.

O mesmo para Paulo Fonseca, cuja equipa foi eliminada na fase de grupos. Imaginem que o treinador dizia que os 2M€ de prémios que ganhou pelos 5 pontos (em 18 possíveis) que fez «já davam para pagar todo o meu contrato com o FC Porto». Ninguém, no FC Porto ou na praça pública, toleraria tal afirmação. 

Mas foi isso que fez Jorge Jesus, ao dizer que com o apuramento para a Liga dos Campeões já pagou o seu contrato de 3 anos com o Sporting. Isto dito pelo treinador que, em toda a sua história, só passou uma vez uma fase de grupos da Champions (tanto Lopetegui como Rui Vitória já o fizeram), e que esta época falhou o apuramento contra o CSKA, lesando o Sporting em 10M€ (já lá vamos). Mas agora diz que já dá para ficar «à sombra da bananeira», pois o Sporting já garantiu os tais 12M€ da Champions (que só dão para pagar 80% do contrato de JJ, já agora).

Declarações que envergonhariam qualquer treinador/clube/jogador
Jorge Jesus é um treinador especialista em desilusões europeias (pode aclamar as finais da Liga Europa quantas vezes quiser, mas 99% dos adeptos nem sabem quem foi o treinador finalista vencido da última edição da Liga Europa - simplesmente porque a história não recorda os seus nomes), mas a forma como uma vez mais sobrepõe o seu ego ao próprio plantel é irrisória. O Slimani é que andou a marcar golos, o João Mário a comandar a equipa e o Bryan Ruiz a dar pinceladas de craque: mas tudo o que eles fizeram esta época foi em vão, pois afinal este apuramento para a Liga dos Campeões serve apenas para pagar o contrato do treinador. Imaginem a cara com que os jogadores ficaram quando ouviram isto. 

E ainda há quem sonhe com Jorge Jesus, o treinador que foi tantas vezes campeão nacional como Jesualdo Ferreira (com a diferença que Jesualdo só precisou de três campeonatos para ser tricampeão; e nunca foi eliminado numa fase de grupos da Champions), no FC Porto. Não, obrigado. A não ser que os nossos jogadores aceitem jogar de graça: assim ir à Champions já dá para pagar ao treinador. Jorge Jesus é sem dúvida um bom treinador em Portugal (não na Europa, em Portugal), mas é excessivamente caro para aquilo que garante.

Na perspetiva de Jorge Jesus, é normal que tente manter sempre uma porta aberta para o FC Porto. Porque saindo do Sporting, é provavelmente a única via que lhe resta. Nenhum grande clube europeu, que lute por títulos, quis pegar em Jorge Jesus depois de 6 anos no Benfica. Daí que o FC Porto, e a conhecida admiração de Pinto da Costa por ele, sejam a sua eterna tábua de salvação; enquanto estava no Benfica, o fantasma do interesse do FC Porto foi sendo recorrentemente usado para garantir melhores condições contratuais, os jogadores que queria e afins. Agora no Sporting não será diferente.

O egocentrismo de Jorge Jesus não conhece limites, e isso foi patente através do recurso à decisão do TAS no caso Rojo, já citado pela imprensa. O Sporting explicou que a sua situação financeira deteriorou-se a partir de setembro, com o aparecimento de um défice de 10M€ nas contas. É fácil depreender que se trata do dinheiro que não entrou da Champions. 

O clube que não se apurasse diretamente para a Champions ficaria com um grande problema para resolver até 30 de junho. Nesse caso, acabou por ser o FC Porto a ficar com um défice similar ao que sobrou para o Sporting esta época, por não poder integrar os 12M€ da Champions nas contas. Mas isso não significa que o Sporting respire saúde financeira e que não esteja num momento crítico.

Senão vejamos. Bruno de Carvalho, mestre em desviar atenções e semear distrações para a sua massa adepta, diz que o Sporting tem «uma dupla almofada» para pagar à Doyen. A mesma Doyen a quem o Sporting nada iria pagar, pois o Sporting ia ganhar o caso, conforme tantas vezes Bruno de Carvalho garantiu. Mas o Sporting foi condenado, conforme esperado (ver fundos vergarem clubes nas instâncias desportivas e judiciais não é bom para o nosso futebol, de todo, mas o Sporting não tinha base nenhuma para ganhar o Caso Rojo). Mas os sportinguistas podem estar descansados, pois têm uma «almofada».

A almofada
Saúde-se a eficiência de Bruno de Carvalho. Não sabemos a que camas foi buscar a almofada (a Doyen diz que são os prémios da UEFA), mas é uma posição bem diferente daquela que foi manifestada junto do TAS. Na altura, basicamente o Sporting disse que não tinha dinheiro para pagar. «A tesouraria e o crédito do Sporting disponível a 16 de janeiro de 2016, ajustado para as aquisições e transferências de jogadores durante o mercado de inverno, ascende a cerca de 9.3 milhões de euros». Ou seja, todo o dinheiro que o Sporting tinha em caixa não daria para pagar à Doyen. 

Os 12M€ que entrarão pelo apuramento para a Champions já quase cobrem esse valor - ou então é para pagar o contrato de Jorge Jesus. Mas a situação do Sporting revela-se mais dramática do que o esperado. Apesar de terem feito uma boa reestruturação financeira, a obsessão assumida e precipitada em chegar ao título esta época comprometeu o Sporting.

Por exemplo, se o Sporting fizer mais de 8,4M€ com vendas de jogadores, 50% de tudo o que for acima desta receita vai direto à banca. Tendo em conta que o Sporting tem prejuízo operacional e tem que atingir o break-even esta época, por não ter cumprido o fair-play financeiro anteriormente, o Sporting terá que vender jogadores até 30 de junho (tal como o FC Porto, que tem que fazer mais dinheiro; a diferença é que o Sporting poucas vezes conseguiu fazer grandes vendas de jogadores). 

Isto é o clichê do costume, de afirmar que não é preciso vender jogadores, quando as contas facilmente denunciam o contrário. Bruno de Carvalho usou-o como tantos outros dirigentes do nosso futebol. Há muita gente sem perceber que estamos em 2016, onde qualquer adepto pode olhar para um Relatório e Contas e perceber facilmente as necessidades e obrigações do seu clube. Mas o próprio recurso do Sporting diz o seguinte: «O Sporting poderia financiar o pagamento da sentença através da venda de jogadores». Assim sendo, o Sporting especifica que seria necessário fazer 25,5M€ em vendas de jogadores até ao fim de junho (na medida em que não era possível vender jogadores com o mercado de inverno fechado), de modo a ter dinheiro para pagar. E ainda houve espaço para a melhor justificação que o TAS já ouviu: «Tendo em vista a solidez financeira da Doyen, a Doyen não será exposta a nenhuma dificuldade financeira se o montante que lhe foi destinado pelo TAS não for depositado imediatamente». 

Ou seja, é esta a solução para o futuro do FC Porto: comprar jogadores ao Barcelona, ao Real Madrid, ao PSG e a todos os clubes sem dificuldades de tesouraria; depois é só mandá-los esperar, pois eles não precisam do dinheiro do FC Porto para subsistirem. Não é preciso negociar com mais fundos, nem procurar fontes alternativas de receita: é ficar a dever e mandá-los esperar até aparecer uma almofada. B de Bruno, B de Brilhante.

Sábado a rivalidade passa para o relvado. De um lado o FC Porto, do outro o Sporting de Jorge Jesus e Bruno de Carvalho. Quem estiver preocupado com o Benfica que fique à porta. 

domingo, 24 de abril de 2016

A memória de um golo

Aqui está uma frase provavelmente nunca antes construída: Rúben Neves fez lembrar Pepe. Em 2006, em plena pré-época, o FC Porto defrontou o Manchester United. Provavelmente, poucos se lembrarão desse jogo, de quem jogou, do resultado, mas lembram-se do balázio que Pepe enfiou na baliza inglesa.

Um golo para recordar
O dia de ontem (curiosamente também um jogo de pré-época), daqui a 10 anos, não será muito diferente. Um passe para dentro da baliza, um passe de Rúben Neves para as redes. Que grande golo. Poucos se recordarão da exibição, da equipa, mas lembrarem-se-ão desta obra prima de Rúben Neves, o mais parecido que vimos desde aquele golo de Lucho González em Hamburgo

Pouco mais haverá a reter. O FC Porto garantiu matematicamente o 3º lugar e não há mais a fazer do que conquistar a Taça de Portugal. O clássico deve ser encarado como ponto de honra e é para ganhar, obviamente. A luta pelo título já não diz respeito ao FC Porto, não interessa se quem vai ser campeão é o Benfica ou o Sporting. O que se sabe é que, no dia 30 de Abril, 11 jogadores vão subir ao relvado com o símbolo do FC Porto e que do outro lado vai estar o Sporting. Qualquer sentimento de desvalorização por perder com o Sporting, alegando que assim podem tirar o título ao Benfica, seria o maior atestado de pequenez da história do clube - bem mais vergonhoso do que os que festejaram o golo de Kelvin na casinha

Uma nota antes da análise ao jogo. Subitamente já há críticas a José Peseiro por fazer exatamente o mesmo que fazia Lopetegui: dizer que todos os jogos são difíceis, que todos os adversários são bons. Mas depois dos elogios maioritariamente injustificados ao Nacional, vimos José Peseiro dizer isto sobre a Académica: «Jogámos contra uma equipa que sofre poucos golos». Uma coisa é valorizar o seu trabalho com recurso aos chavões do costume, como por vezes Lopetegui fazia, outra é dizer inverdades destas, pois a Académica tem a 2ª pior defesa da liga e é a equipa que sofre mais golos em casa. José Peseiro é um otimista, mas pede-se um pouco mais de rigor nestas questões, mister. Pelo menos até 22 de maio.






Maxi Pereira (+) - O que define um jogador à Porto não é a ausência de erros, pois todos erram: é a forma como se reage a esse erro. Maxi esteve na origem do golo da Académica, com uma má cobertura defensiva, mas depois tomou-se por um inconformismo que o levou a ser um poço de força no corredor direito. Atacou, tabelou, cruzou, entrou na grande área, procurou o remate e não descansou enquanto não se redimiu do erro. No final do jogo, o merecido descanso.



Danilo Pereira (+) - A Académica foi apenas mais uma equipa que, com apenas dois homens no contra-ataque, consegue logo intimidar a defesa do FC Porto. Mas Danilo chegou para (quase) tudo. Muito bem nas dobras, a impor a capacidade de física e a ser referência não só no início de construção como na grande área adversária. Tudo isto aliado a uma capacidade de liderança que se faz sentir cada vez mais - Corona e Sérgio ficaram com as orelhas a arder durante o jogo.

Outros destaques (+/-) - Finalmente, Rúben Neves a apostar mais na meia distância. É um capítulo que precisa de melhorar no seu jogo - e curiosamente, os seus 2 golos esta época nascem de remates de longe. Imaginem o que seria Pirlo sem a capacidade de rematar. José Ángel continua a ser o jogador que melhor cruza de primeira e de forma tensa - o problema é que os outros aspetos do seu jogo não se aproximam da sua capacidade de cruzar. André Silva esteve incansável na pressão ao início de construção da Académica e movimentou-se sempre bem na grande área, embora vá sendo tempo de materializar o seu empenho num golo, que vai aparecer. Corona precisa de melhorar imenso a recepção de bola, mas está a melhorar bastante no passe - 85% de acerto e fez cinco passes para zonas de finalização (mais do que os 3 médios), além do seu papel defensivo, com sete ações de recuperação/desarme; faltou-lhe mais objetividade na procura do remate e no um para um. 






Condição física (-) - Estamos em abril, pelo que é normal que alguns jogadores já não estejam no seu melhor fisicamente. Mas José Ángel é pouco utilizado, e o próprio André Silva só tinha feito 89 minutos nas últimas duas semanas e meio. Ainda assim, vários jogadores estavam rebentados, inclusive com Ángel e André a sentirem cãibras. Por um lado, é bom: mostra que os jogadores estavam a dar tudo. Por outro, a condição física dos jogadores tem vindo a cair nos últimos dois meses - bem diferente do que aconteceu em 2014-15, em que a equipa estava muito melhor fisicamente. Não querendo associar isso diretamente à troca de preparadores físicos, uma equipa que luta por várias frentes tem que ter a certeza que está o melhor servida possível neste aspeto. Estará?

Descompensação (-) - A Académica não precisou de meter muita gente na frente para criar perigo, o que vem sendo crónico nos adversários do FC Porto. Só marcaram numa bola parada, mas a cobertura defensiva do FC Porto deixou sempre a desejar, sendo também um reflexo da ausência de Danilo do meio-campo - Rúben Neves não tem a capacidade física e defensiva do compatriota, embora dê outra capacidade de circulação à equipa. A linha defensiva do FC Porto nem sempre esteve - passe a redundância - alinhada da melhor forma, tanto que apesar da Académica procurar muitas vezes o espaço nas costas da defesa nenhum dos seus jogadores caiu na armadilha do fora-de-jogo. Depois quando faltam pernas, como faltou a Maxi no lance do livre, pode sair caro.

Subrendimento (-) - Varela apoia sempre bem as subidas dos laterais e procura bem o espaço interior, mas objetivamente não criou nenhum lance de perigo - nem um cruzamento ou um remate na retina. Para um jogador que está a queimar as últimas oportunidades de ir ao Euro 2016, esperava-se mais. Herrera, desta vez, acusou a falta de espaço no meio-campo da Académica e não conseguiu dar tanto nas vistas no ataque - à imagem de Sérgio Oliveira, muitas vezes a ir atrás pegar no jogo, mas sem servir os avançados, abrir espaços ou até tentar a meia distância. André André fez mais em menos tempo, com menos ritmo. Está a ter a sequência de jogos que Lopetegui achava que não merecia, por isso só depende dele próprio.

Uma semana para preparar um clássico em que nada mais interessa do que a honra de vencer. Muita coisa pode ter mudado no FC Porto, mas repugna imaginar que algum portista possa encontrar conforto num empate ou numa derrota num clássico. Primeiro o FC Porto, depois o FC Porto, depois o FC Porto. Só depois dos rivais.

sexta-feira, 22 de abril de 2016

Voucher Federação

Fernando Gomes vai, sem surpresa, ser reeleito presidente da FPF no início de junho. Quase numa espécie de périplo do futebol português, foi recolhendo apoios dos clubes pouco a pouco. Pinto da Costa questionou, na entrevista do início de abril, e bem, onde fica a Liga no meio de tudo isto: para que serve a Liga, que supostamente representa os clubes, se depois os clubes andam a conta-gotas a anunciar apoios a Fernando Gomes?

Não há que confundir as coisas. Fernando Gomes foi um bom gestor financeiro do FC Porto, que esteve diretamente associado ao ciclo de maior sucesso do clube e ao crescimento da SAD. Já enquanto presidente da FPF, Fernando Gomes tem contribuído para o tratamento marginal que o FC Porto tem recebido, como foi exemplo o ignorar de duas das maiores figuras do futebol nacional durante a Gala dos 100 anos da FPF, José Maria Pedroto e Pinto da Costa. As águas, pelo menos aqui, não se misturam. Apreço pelo homem que foi administrador da SAD do FC Porto, nada de positivo a dizer sobre o presidente da FPF.

Dito isto, aquilo que mais destaca da lista de Fernando Gomes: José Manuel Meirim passa a presidente do CD da FPF e José Fontelas Gomes é o novo presidente do CA. 

Na primeira entrevista do mês, Pinto da Costa disse que não podia apoiar Fernando Gomes, por não conhecer a sua lista. Já na sua última entrevista, o presidente disse isto, a propósito dos sucessores de Vítor Pereira e Herculano Lima: «Não sei quem vai para lá, porque o FC Porto não interfere nem tem nada a ver com isso». Ficou assim conhecida a posição do clube face a este tema na entrada para o novo mandato da SAD.

José Manuel Meirim foi uma surpresa. Era habitualmente o homem a quem a imprensa recorria para comentários sobre a justiça desportiva. Por hábito, poupa-se a considerações pessoais (uma mais valia) e limita-se a tentar interpretar e enquadrar os regulamentos. Agora vai presidir ao Conselho de Disciplina da Federação. Um grande passo, e desejemos que faça o melhor possível pela justiça desportiva. 

Mas recuemos até 2013 e a uma competição que não tem grande apreço por parte do FC Porto, a Taça da Liga. Todos se recordam do caso das 72 horas, a envolver Fabiano, Abdoulaye e Sebá. O CD concluiu e deliberou que o FC Porto não infringiu nenhuma regra. Mas se José Manuel Meirim fosse na altura presidente do CD da Federação, se calhar esta célebre capa do jornal A Bola já teria sido verídica.


Com isto podemos passar para a célebre história dos vouchers. A defesa do Benfica - aliás, de benfiquistas, pois o clube esteve sempre calado em todo o processo - que alternativa lhe sobrava? - insistiu sempre no tal limite de 200 francos, omitindo que esta norma é aplicada pela UEFA às competições europeias, não à liga portuguesa. Já os regulamentos da FPF, esses sim, indicam que só eram admitidas ofertas de valor simbólico e não-comercial. Mas as ofertas do Benfica, conforme foi analisado aqui, tinham valor comercial e não tinham defesa em quaisquer regulamentos. Ora e o que pensa José Manuel Meirim de tudo isto?


Com isto chegamos ao sucessor de Vítor Pereira, José Fontelas Gomes, o protagonista da palhaçada fresquinha, para quem oferecer jantares e artigos de valor comercial aos árbitros é normal, mas ceder material de banho a um árbitro - algo que segundo o CM o FC Porto fez a Artur Soares Dias - já deve ser passível de uma averiguação. Igualmente, Fontelas Gomes também sempre defendeu a prática do Benfica ao longo de todo o processo.

De recordar o seu papel na época 2014-15. Quando Lopetegui, praticamente o único elemento do FC Porto a contestar as arbitragens, se atreveu a dizer que não podiam ser o árbitros a decidir o campeonato, José Fontelas Gomes ficou ofendido. Curiosamente, a APAF nunca ficou ofendida com nenhuma das afirmações de Jorge Jesus ao longo dos últimos anos, nem quando João Gabriel falou de um campeonato que era «um tributo aos árbitros».

Nos últimos anos nenhum treinador do FC Porto acusou diretamente um árbitro de errar deliberadamente, de querer prejudicar o FC Porto ou beneficiar o Benfica. Jorge Jesus, não raras vezes, proferiu declarações bem mais graves em torno das arbitragens. Mas nunca mereceu nenhum reparo. Limpinho. Descubra as diferenças:


Fontelas Gomes conseguiu o apoio de ilustres árbitros como João Capela, Manuel Mota, Jorge Ferreira, Bruno Paixão ou Carlos Xistra, e enquanto presidente da APAF habitou-se a condenar publicamente o FC Porto sempre que falava das arbitragens; já sobre os ataques do Benfica, nem uma palavra. Quando João Gabriel disse que o título do FC Porto era um tributo aos árbitros, ninguém da APAF se revoltou; já aquando Pinto da Costa criticou Soares Dias em 2014, Fontelas Gomes levou de imediato as declarações do presidente do FC Porto ao Conselho de Disciplina.

Isto para concluir: José Manuel Meirim e José Fontelas Gomes. O que têm em comum? Ambos já se manifestarem publicamente de forma desfavorável em relação a FC Porto, ao mesmo tempo em que defenderam a legitimidade da prática do Benfica no caso dos vouchers. Condenaram o FC Porto, defenderam o Benfica, agora chegam a dois dos cargos mais importantes do futebol português.

Mas «o FC Porto não tem nada a ver com isso».

quinta-feira, 21 de abril de 2016

É preciso ter Faro para o lapso

O que têm em comum Tiago Jogo, Iuri Gomes ou Diogo Coelho? São jogadores cedidos por outros clubes ao Farense. Que mais têm em comum? O Farense não utilizou nenhum deles contra os clubes-mãe (adenda: apenas o Feirense, que emprestou Tiago Jogo, está na segunda liga), até porque, como se sabe, os regulamentos proíbem isso. Até aqui, tudo normal.

E depois há Harramiz. Quem é Harramiz? Um jogador emprestado pelo Benfica ao Farense. Então o que fez o Farense? Utilizou-o contra o Benfica B.

Ou seja, a partir do momento em que Harramiz entra em campo, o Farense já perde o jogo. Perdeu-o em campo, mas tê-lo-ia também perdido na secretaria. Ou seja, o Benfica B, sob quaisquer que fossem as circunstâncias, já sairia deste jogo duplamente beneficiado: não só ganhava o jogo como um rival direto na luta pela manutenção ia perder pontos.

Além de perder o jogo em campo, o Farense foi punido com a perda de mais 2 pontos. Assim já está a 4 pontos do Benfica B, que tem praticamente menos uma equipa com a qual se preocupar na corrida à manutenção.

Que diz o Farense sobre isto? Segundo o seu presidente, António Barão, tudo não passou de um lapso. «A utilização do Harramiz resultou de desconhecimento do Farense e não houve intenção nem maldade», disse ao Record: «Pensávamos que o jogador já não tinha qualquer ligação com o nosso adversário».

O Farense, infelizmente, não sabia que Harramiz ainda era jogador do Benfica. Imagine-se como é possível andar uma época a pagar salários a um jogador que, no fundo, nem se sabe a quem pertence. Mais ainda: imagine-se o que é o gabinete de imprensa do Farense saber mais do que o próprio presidente/clube.


Conforme se pode ver neste post no Facebook do Farense, Harramiz foi anunciado como reforço por «empréstimo do Benfica». Será possível que quem gere o Facebook do Farense sabe o que mais ninguém do clube aparentemente sabia? A isto não se chama lapso, chama-se incompetência. Ou então chama-se outra coisa.

De facto, o historial de colaboração entre Farense e Benfica é vasto. Para quem não se recorda, o Farense foi pioneiro mundial nesta prática:


Desde então, o Benfica tem cedido uma série de jogadores ao Farense, quase todos recheados de potencial.  Quem não se lembra dos craques Jim Varela (a explodir no Progreso) e Juan San Martín (a espalhar magia no Louletano)? Chegaram juntamente com Elbio Álvarez, um suplente da equipa B. Segundo a agência EFE, em janeiro de 2012, o Benfica pagou 1,5M€ só pelo direito de preferência destes 3 jogadores e mais 2,9M€ pela compra do passe. Fica a sugestão ao Football Leaks: estes seriam interessantes de se ver.

Isto para dizer que Jim Varela e San Martín foram exemplos dos craques que amadureceram no Farense antes de irem espalhar magia para a Luz. Na verdade, não correu muito bem, pois não? A melhor contratação do Benfica - para quem mais vale uma assento na liga do que um Jankauskas - pelos caminhos de Faro ainda continua a ser Carlos Deus Pereira.

Quem não se lembra deste ex-futebolista que representou o Benfica durante 9 anos? Poucos, talvez, pois deu mais nas vistas pelo seu trabalho como presidente da Mesa da AG da Liga durante o consulado de Mário Figueiredo. Recusou vários pedidos de Assembleias Gerais para destituir o presidente da Liga, rejeitou as candidaturas de Rui Alves e Fernando Seara à presidência da Liga e foi presidente da SAD... do Farense. Farense esse que foi um dos 7 clubes a votar na reeleição de Mário Figueiredo em 2014. É preciso ter faro para as parcerias, e o Benfica mostra tê-lo de sobra por estas bandas.

Ainda sobre Harramiz, então e o próprio papel da equipa de arbitragem e dos delegados ao jogo da liga? Não houve um único elemento competente o suficiente para verificar, facilmente, que Harramiz era um jogador emprestado pelo Benfica? A própria inoperação dos agentes da nossa liga fez com que o Farense, ainda antes de começar o jogo, já tivesse perdido; e o Benfica ganhou não só os 3 pontos, como vantagem sobre outra equipa na luta pela manutenção.

Qualquer coincidência com a realidade é pura ficção. Mas por um momento, imaginemos o que aconteceria se o projeto de formação do Benfica, que tanto tem proclamado a aposta no Seixal e a estratégia para ter uma base de jogadores formados no clube e na seleção nacional, culminasse com a queda da equipa B para o Campeonato de Portugal. Nem Alexandre Dumas, com mil Aramis ou Harramiz, conseguiria imaginar tão trágica ficção.

Ah, já agora: não se esqueçam, Victor Andrade está emprestado pelo Benfica. Não vá alguém do Vitória de Guimarães B, na próxima jornada, cometer o mesmo lapso que o Farense. 

quarta-feira, 20 de abril de 2016

Com vista a 2020

Presidente reeleito, entrevista pós-eleições dada, tempo de análise. A começar pela afluência às urnas, sem dúvida uma notícia que se saúda: o facto de o número de votantes quase ter dobrado, apesar de continuar a haver lista única. Quando o FC Porto passar a ser um clube minimamente modernizado e globalizado no processo eleitoral, abrindo espaço para votar online e nas casas do FC Porto espalhadas pelo país, o número de votantes vai certamente disparar - algo que deve ser uma realidade (no máximo) já para 2020.

Pinto da Costa pareceu estar sempre mais satisfeito com o aumento do número do votantes do que preocupado com a grande quantidade de votos nulos. Embora admitindo que possa ter havido quem votou em 2013 mas não votou em 2016, de umas eleições para as outras houve 1145 «novos» votantes. Ora e desses «novos» votantes, há mais portistas a votarem em Pinto da Costa do que contra: 494 fizeram votos nulos, mas 651 votaram a favor.

Ou seja, mais portistas às urnas significou mais votos para Pinto da Costa. Nessa perspetiva, é natural que o presidente esteja satisfeito e desvalorize os votos contra. Mas uma coisa é o número de votos, outra é a percentagem. E 21% de votos nulos, equivalente a 505 votantes, é um número muito elevado e que serve claramente de alerta.

Vejamos. Nos cinco atos eleitorais do séc. XXI que antecederam este último, Pinto da Costa foi sempre reeleito, com as seguintes percentagens:

2013: 99,13%; 1258 votos (11 nulos)
Um sócio a votar
2010: 98%; nº de votos não divulgado
2007: 98,6%; 3820 votos (51 nulos)
2004: 99,3%; 1068 votos (8 nulos)
2001: 98,8%; 1258 votos (12 nulos)

Embora em 2010 não tenha sido divulgado o número de votantes (fica a ressalva), entre 2001 e 2013 foram contabilizados 82 votos nulos. Ou seja, no simples ato eleitoral de 2016, os votos nulos aumentaram 6 vezes mais do que no espaço espaço de 12 anos. Não é possível minorizar a quantidade de votos nulos, de todo, pois foi francamente elevada quando avaliada por este prisma. E confirma sinais já dados antes, como uma AG que não teve espaço na sala para todos os sócios (mais de 300, quando anteriormente marcavam presença 20 a 40); e a própria lista de apoio à recandidatura de Pinto da Costa, desta vez, recolheu apenas 10 mil assinaturas, ao contrário das 20 mil do passado recente (neste caso não se pode tirar ilações definitivas, pois não se sabe se quantas pessoas a Comissão de Apoio à Recandidatura abordou para assinarem). 

Mas logo no anúncio dos resultados foi dito que a percentagem de votos nulos devia-se ao facto de muitos adeptos terem escrito mensagens de apoio a Pinto da Costa, e que por isso os seus votos foram inutilizados. De facto, houve movimentos de apelo ao voto nulo em alguns espaços da internet, e um grupo de associados fez questão de fazê-lo no próprio dia e imediações do Dragão - o «Acorda Porto». Dezenas de adeptos pelos mais diversos espaços ligados ao FC Porto na internet afirmam que fizeram votos nulos, e vários até tiraram fotos para as publicarem (não o deveriam fazer, pois o voto é secreto, mas o procedimento também pouco teve de secreto). 

O que se desconhecia, de todo, é que alguns adeptos tenham optado por votos nulos para apoiar Pinto da Costa. Não só são visionários como, esses sim, estão de parabéns: cumpriram na íntegra o artigo 3 do Regulamento Eleitoral, ao votarem com o maior secretismo. Não criaram sites, não tiraram fotos aos seus boletins, não fizeram cartazes; chegaram, escreveram «Força Porto» e «Força Presidente», inutilizaram os votos e está feito.

Essa foi a justificação da mesa da Assembleia Geral, e como não podemos ver os votos, ninguém a pode desmentir. Mas cá fica a reflexão: porque é que nenhum dos votantes se lembrou, entre 2001 e 2013, quando Pinto da Costa venceu sempre as eleições com mais de 98% dos votos, de escrever mensagens de apoio a Pinto da Costa nos boletins? Só se lembraram de o fazer em 2016, logo quando houve um movimento de apoio ao voto nulo como forma de protesto? Assinale-se a coincidência. A percentagem de votos nulos deve ser levada muito a sério, por todas as razões enumeradas nestes parágrafos.

Quanto à entrevista, Pinto da Costa começa por dizer que não vê nos votos nulos um «cartão amarelo». E depois segue-se uma comparação infeliz e sem qualquer espécie de sentido, ao questionar o que sentirão o Presidente da República e o primeiro-ministro. Primeiro, Marcelo Rebelo de Sousa não é o maior presidente da história da República, nem sequer António Costa é o melhor primeiro-ministro de sempre; Pinto da Costa, esse sim, é o melhor presidente da história do futebol, logo comparar-se a esses dois nomes é reduzir-se a si próprio. Depois, nenhum deles concorreu sozinho para os respetivos cargos. Poderia ser apenas uma piada e uma forma de abrir uma conversa bem disposta, mas não fez qualquer espécie de sentido. 

Pinto da Costa diz que não sentiu qualquer tipo de fúria dos adeptos, inclusive quando esteve a poucos metros das mesas de café onde os sócios estavam a votar. Mas o presidente esperava ser contestado naquele local? Não, os associados foram lá para votar secretamente, não foram lá para contestar o presidente - até porque quem vai às urnas não espera encontrar lá o candidato em quem vai, ou não, votar. Outra reflexão para futuras eleições: se houver dois candidatos à presidência do clube, poderá estar um deles em amena cavaqueira ao lado dos votantes? Certamente que não seria bem visto. 

De destacar o pormenor de Pinto da Costa ter dito que «durante anos não faltam candidatos», mas a verdade é que ninguém, nos últimos 3 anos, manifestou qualquer desejo de ser já candidato - Vítor Baía deixou claro que gostaria de avançar quando Pinto da Costa saísse; já António Oliveira, a candidatar-se, será sempre também depois de Pinto da Costa sair (até lá continuará a fazer eternos elogios ao presidente; pois nas futuras eleições, provavelmente a massa associativa verá com muitos melhores olhos alguém que sempre defendeu e elogiou Pinto da Costa do que alguém que o criticou).

Diga-se que falar de sucessão um dia após Pinto da Costa ser reeleito não faz nenhum sentido. Agora que Pinto da Costa foi reeleito, só temos que nos preocupar com o trabalho do presidente a ser desenvolvido até 2020. Em 2013, Pinto da Costa disse que «quem vier a seguir só tem que não estragar». Mas se o presidente acaba de reestruturar a SAD e se o clube «bateu no fundo», então é porque há coisas que, se não estão estragadas, então têm que ser altamente melhoradas. Não há maior desafio para Pinto da Costa do que, daqui a 4 anos, continue ou não no FC Porto, poder dizer: «Quem vier a seguir só tem que não estragar».

Entrevista ao Porto Canal, a 18-04-2016
Depois, Pinto da Costa passou para uma parte bastante agradável da entrevista e motivadora para todos os adeptos do FC Porto. Diz o presidente que não gostava que os filhos ou a mulher sucedessem ao seu lugar. Muito bem Pinto da Costa, desde logo a fazer afirmações com as quais todos os portistas se podem identificar. O único filho(a) de franca utilidade ao FC Porto é André André (o exemplo mais reconhecido; há também certamente outros frutos a ter em conta, como Francisco Ramos ou Afonso Sousa). O presidente deu ainda um voto de confiança a toda a sua estrutura, dizendo inclusive que vê nela gente como capacidade para suceder ao seu lugar.

Pinto da Costa pode e deve ter influência na escolha do seu sucessor no futuro. E deve exercê-la da seguinte forma: chegando ao dia das eleições e votando. Qualquer outra ação, como disse e bem, seria um atestado de mediocridade à capacidade dos sócios. Quando Pinto da Costa sair, e tendo em conta que foi através do presidente que (quase) todos os administradores chegaram ao FC Porto, mandam os princípios éticos e de serviço ao clube que acompanhem todos a sua saída. Depois, se algum deles quiser candidatar-se, então que o faça; o resto são os sócios a decidir. 

Pareceu valorizar-se excessivamente a vitória sobre o Nacional. Foi uma boa exibição, mas foi contra o Nacional, uma das piores equipas a jogar fora de casa no campeonato; e foi no Dragão, onde no passado recente todos os adversários caíam. Foi uma boa vitória, uma boa exibição, mas se a equipa não vencer em Coimbra já ninguém se lembrará deste jogo. Se calhar, daqui a um mês, quem viu este jogo só se lembra de um jogador do Nacional: do guarda-redes, o que diz muito da sua qualidade este ano. Ah, e Chidozie não jogou neste jogo. 

No que toca a contratações, as declarações de que Pinto da Costa deseja «duas ou três» contratações cirúrgicas foram importantes com vista à estabilidade no plantel. Não se pode pedir o título - ou torna-se difícil fazê-lo - quando se perdem 7 titulares de uma época para a outra (algo que foi francamente ignorado na projeção para esta época por muita gente). A questão dos eventuais regressos de ex-jogadores foi mencionada, e é natural que Pinto da Costa o vá tentar. O presidente anunciou que a equipa do próximo ano vai ser «uma equipa à Porto». E que melhor garantia disso do que fazer regressar jogadores à Porto? Veremos se se desenha alguma possibilidade de isso acontecer.

Curiosa a afirmação de que Hernâni, que aparentemente vai regressar, «está a brilhar no Olympiacos». De facto, quando Hernâni joga, deixa sempre a impressão de que merecia um pouco mais de oportunidades. Mas se não as tem, então é por algum motivo. Hernâni só foi 5 vezes titular no campeonato grego (contando apenas com os campeonatos nacionais, jogou menos do que Quintero no Rennes), mesmo com um treinador (Marco Silva) cujo modelo de jogo (contra-ataque/transição rápida/insistir pelos flancos) encaixava nas suas caraterísticas. Se a questão é Marega vs. Hernâni, nem merece discussão; que Hernâni tenha condições para se impor no FC Porto, restam muitas dúvidas. Mas essas devem ser dissipadas pela avaliação do treinador.

De qualquer forma, as afirmações de Pinto da Costa levam a crer que não se vão contratar Maregas, Hernânis ou quaisquer outros jogadores que: não tenham qualidade; não tenham caraterísticas adequadas; necessitem de grande período de adaptação; sejam com vista a melhorar o plantel mas não necessariamente o 11. Segundo o presidente, quem vier será para chegar, ver e jogar. Plano subscrito.

Pinto da Costa entrou depois num tema inesperado: o impacto que os pagamentos ao Estado têm no FC Porto. Em «Não temos que pagar as contas do Benfica», já tinha sido aqui realçado que o FC Porto é sem dúvida um dos maiores clientes do Estado, enquanto outros beneficiam de perdões, isenções e afins.  Mas a afirmação de Pinto da Costa de que o FC Porto paga 40M€ de impostos, tendo um orçamento de 150M€, merece algum enquadramento.

O presidente já tinha anunciado, em setembro, que o FC Porto pagou 31,68M€ de impostos na última época. Agora refere-se ao pagamento de 40M€ no último ano. Numa SAD que teve despesas operacionais de 110M€, e cujos custos totais com aquisições da última época ascenderam a 53,3M€, falar em 40M€ de impostos requer um melhor enquadramento. Por exemplo, há que ter em conta a dedução do IVA, e o facto da responsabilidade do IRS ser aplicável a todos os jogadores e trabalhadores do FC Porto. Que o FC Porto é um clube sem apoios, sem dúvida; mas já o era há 10, 20, 30 anos.

Pela primeira vez, Pinto da Costa revelou os números da proposta da NOS que o FC Porto teve em mãos: 320M€. Se assim foi, confirma-se, se ainda havia dúvidas, de que o negócio com a MEO foi o melhor possível para a SAD, com ou sem comissões - a acusação de Bruno de Carvalho que nunca teve resposta ou receptor. Mas falar do contrato de direitos televisivos como alternativa à falta de financiamento por parte dos bancos não faz sentido. Os bancos não dão receitas operacionais: antecipam verbas, financiam a atividade corrente da SAD, emprestam dinheiro; já as receitas televisivas sempre fizeram parte da gestão operacional da SAD. 

Pinto da Costa realçou a importância que Reinaldo Teles e Antero Henrique vão ter na gestão do futebol nos próximos 4 anos. Assim sendo, esperamos ver Reinaldo e Antero Henrique, pelo menos uma vez por época, no Porto Canal a falar sobre cada época desportiva; se temos dois dirigentes que vão ser influentes no futebol da SAD, então há que ouvi-los, para não se esgotar tudo em Pinto da Costa e no treinador. Desde que o Porto Canal foi criado, quantas pessoas responsáveis pelo futebol do FC Porto vimos dar entrevistas além de Pinto da Costa?

Sobre o treinador, por esta altura o FC Porto já tem que saber se vai ficar ou não com José Peseiro. Jesualdo Ferreira também acabou 2009-10 a ganhar 8 jornadas consecutivas e a conquistar a Taça de Portugal, mas saiu. Logo, nada do que Peseiro possa fazer neste fim de época devia mudar a decisão da SAD (Pinto da Costa admitiu, e bem, que não pode ser a Taça a decidi-lo). Se quer mantê-lo, que seja pela convicção que têm à data de hoje, e não por aquilo que forem às últimas jornadas. Pinto da Costa não podia fazer outra coisa senão reforçar a confiança de um treinador que pode ganhar a primeira Taça para o Museu do FC Porto, mas uma coisa é o discurso para fora e para o balneário, outra é a posição interna da SAD.

Depois não podia faltar o «espaço L», que parece tornar-se obrigatório em todas as entrevistas de Pinto da Costa: falar de Lopetegui. A bem da verdade, quem puxou o tema foi Miguel Guedes, que recentemente culpou Lopetegui por toda a má época do FC Porto. Mas uma vez mais, perdeu-se mais tempo a falar de Lopetegui do que do presente/futuro treinador do FC Porto. Aqui não vamos regressar a este tema: se Lopetegui sentir que deve dizer algo, que o faça, pois está no seu direito.

Direito esse de que já usufruiu Angelino Ferreira. Os adeptos do FC Porto sempre tiveram a sensibilidade de nunca misturar os assuntos pessoais e particulares de Pinto da Costa como a sua atividade no clube - e o mesmo se poderá dizer de todos os outros dirigentes, desde Reinaldo Teles a Antero Henrique -, mas foi isso que o presidente fez relativamente a Angelino Ferreira, ao falar na Gaianima. Também não seria nada bonito o ex-administrador vir agora dizer que Pinto da Costa ou Antero Henrique andam preocupados com a Operação Fénix e com as acusações do Ministério Público, ou que Reinaldo Teles esteve ocupado com o BPN. Evitável e inoportuno. Uma realidade onde nos tornamos amigos de quem nos atacava (Carlos Pereira, por exemplo) e em que nos viramos contra quem trabalhou durante vários anos na SAD e é portista é algo no qual poucos portistas se devem rever.

A entrevista termina com o tema (lançado por Júlio Magalhães, diga-se) mais ansiado pelos portistas: Pinto da Costa a manifestar apoio político ao PCP e a discutir o momento do país. Era mais interessante do que, por exemplo, debater o enquadramento do fair-play financeiro para esta época, sem dúvida.

Presidente reeleito, entrevista de lançamento (goste-se ou não) dos próximos 4 anos dada. Este foi o caminho que os associados do FC Porto, ou a sua maioria, escolheram. A confiança foi dada, agora há que correspondê-la por parte da SAD. Mãos à obra - neste caso, à reedificação da obra a que chamamos FC Porto. 

Pergunta(s): Reações à entrevista do presidente e que expetativas no lançamento do novo mandato?

segunda-feira, 18 de abril de 2016

Terapia A4

Goleada, jogo resolvido cedo, baliza inviolável, golos bonitos e quase todos os jogadores a exibirem-se a bom nível. Bons olhos vejam este FC Porto. Já não há muito a fazer no campeonato, mas em 2009-10 também pouco havia, e a equipa então treinada por Jesualdo Ferreira não deixou de acabar a época com oito vitórias consecutivas na Liga, antes de se lançar para a dourada era Vilas-Boas.

Preparar a final da Taça é o objetivo que resta, mas até lá há o moral para restaurar, e alguns jogadores têm que se reabilitar física e psicologicamente. A exibição de ontem cumpriu todos os pressupostos, sem dúvida a melhor desde a troca de treinadores e talvez a primeira em que houve consistência e qualidade do princípio ao final do jogo. 

Há que assumir o compromisso de honra de voltar a fazer do Estádio do Dragão um palco de terror e derrotas iminentes para os adversários, e não uma casa onde Moreirenses, Uniões, Aroucas e Tondelas conseguem discutir o resultado, fazer golos e pontuar. Porque uma coisa é aparecer um caso isolado, como a vitória do Leixões de 2008, outra é aparecer uma sequência tão negativa de jogos, como foi exemplo as últimas semanas. 






Ao ritmo do capitão
Héctor Herrera (+) - Mais uma exibição completíssima daquele que é o melhor jogador do FC Porto na segunda metade da época 2015-16. Com Lopetegui, era mais forte nas ações defensivas (tinha mais desarmes e recuperações de bola); com Peseiro remata mais, faz os passes em zonas mais adiantadas e melhorou imenso nos dribles (com Lopetegui acertava 23% dos dribles, com Peseiro subiu para 62%). Herrera foi a unidade que ligou todos os setores do FC Porto; dava apoio a Sérgio Oliveira, a Corona, a Varela e a André Silva, de forma incansável e em constante movimentação. Fez um golo, esteve perto de bisar, e voltou a estar bem no passe (ainda há quem alimente o mito de que Herrera falha muitos passes, mas Herrera sempre esteve acima da média neste capítulo, com 85% de acerto; melhor só os centrais ou o médio-defensivo).


Varela (+) - O regresso às boas exibições do melhor marcador português da história do Estádio do Dragão. Fazer um grande golo aos 2 minutos torna tudo mais simples. Não voltou a rematar tão bem e chegou a errar num passe atrasado, mas desta vez esteve sempre presente no jogo, com rapidez, profundidade e envolvência total na circulação de bola. Assim, pelo rendimento, o lugar é dele. 

Laterais (+) - Maxi novamente a bom nível (já é o 2º melhor assistente da equipa), José Ángel numa das melhores exibições com a camisola do FC Porto. Os laterais do FC Porto são responsáveis por metade dos passes para golo da equipa, o que diz tudo da sua influência; mas ontem o maior destaque foi a excelente forma como o FC Porto soube solicitar os seus laterais para os cruzamentos. O FC Porto bateu o recorde de cruzamentos em bola corrida esta época (25), e Ángel destacou-se neste aspeto, com uma assinalável precisão na hora de cruzar. 

Outros destaques (+) - Danilo Pereira, numa posição que não é (nem deve ser) sua, não cometeu erros e ainda subiu ao ataque para marcar (excelente jogada de laboratório no 3x0); Corona fez duas assistências, quatro passes para zonas de finalização e ainda tentou o golo em três ocasiões, apesar de ter sido inconsequente em alguns dos seus lances e por vezes lhe ter faltado objetividade; André Silva ainda acusa a ansiedade de marcar o primeiro golo, mas ele vai aparecer - esteve muito bem nas movimentações na grande área e no jogo aéreo; Aboubakar fez um bonito golo e aparentou estar mais confiante (as limitações de Aboubakar não são físicas, nem técnicas, mas sim psicológicas - e isso trabalha-se). 

De destacar ainda a boa exibição coletiva da equipa, que atirou 14 vezes à baliza (em 25 tentativas) e, apesar da velocidade na circulação de bola (muito bem nas triangulações entre lateral, médio de apoio e extremo) e na sucessiva variação de flancos, conseguiu uma eficácia de passe de 90% na primeira parte e acabou o jogo com 87%. Mas obviamente que não é um resto de campeonato a feijões e um único jogo, nomeadamente a final da Taça de Portugal, que pode aferir a continuidade de um treinador - essa decisão já tem que estar tomada, seja com vista à continuidade ou saída de José Peseiro (Jesualdo também acabou 2009-10 com oito vitórias consecutivas no campeonato, uma delas que estragou a festa antecipada do Benfica, e ganhou a Taça, mas a decisão já estava tomada e era irredutível: a sua saída; logo, nada que Peseiro possa fazer neste fim de época deve mudar o que estava previsto há uma semana, seja a sua saída, seja a continuidade). 






Descompensação defensiva (-) - Defeito ou feitio, não raras vezes o FC Porto encontrava-se em preocupante inferioridade numérica nos momentos de contra-ataque do Nacional. Por um lado, isso significa que a equipa envolve mais unidades no processo ofensivo, mas o FC Porto teve que ser mais rápido na transição defensiva no momento da perda. A vantagem madrugadora também contribui para isto, mas o FC Porto a determinada altura deu demasiado espaço ao Nacional para circular, tanto que a equipa madeirense acabou o jogo com 79% de eficácia de passe, bem melhor do que Paços (60%) e Tondela (61%) quando ganharam ao FC Porto. Mas claro, a deixar o adversário ter a bola, que seja quando o FC Porto já está a vencer e a controlar o jogo.

Como importa primeiro ouvir a reação de Pinto da Costa à reeleição, em mais uma entrevista ao Porto Canal, a análise aos resultados eleitorais será feita depois.

domingo, 17 de abril de 2016

Dia de eleição

O FC Porto é um clube único, e isso aplica-se também ao seu processo eleitoral. Os associados do FC Porto não estão habituados a eleições porque, nos últimos 30 anos, a maioria nunca sentiu necessitar delas. Pinto da Costa sempre foi o homem pelo qual a massa portista se guiou.

Hoje não volta a ser muito diferente. Neste momento, a maioria dos adeptos do FC Porto quer mudanças. Mas querem que essas mudanças sejam levadas a cabo por Pinto da Costa, o único presidente do nosso futebol que consegue ser eleito com um currículo e não com um projeto eleitoral. Convenhamos, nenhum outro pode ser eleito por currículo, pois nenhum outro tem o currículo de Pinto da Costa. Mas os últimos três anos de FC Porto em pouco honraram não só o historial do clube mas a própria obra de Pinto da Costa.

Pinto da Costa tem 78 anos, terá 82 no final do mandato, e está perto de se tornar o presidente há mais anos à frente de um clube europeu (Santiago Bernabéu esteve 35 no Real Madrid). O 14º mandato pode muito bem ser o último de Pinto da Costa à frente do clube. Porque a obra de Pinto da Costa é eterna, mas nenhum homem o é.

A caminho do 14º mandato
Em 2012 Pinto da Costa dizia ao L'Équipe que pretendia deixar a presidência do FC Porto num prazo de cinco anos, ou seja em 2017. Foi na altura uma afirmação que fazia sentido - o seu mandato acabaria em 2016, mas os estatutos do FC Porto previam que a direção pudesse continuar mais um ano caso não houvesse uma lista concorrente; assim sendo, Pinto da Costa sairia em 2017.

Mas a alteração de estatutos do FC Porto aumentou os mandatos para quatro anos, e a direção prescindiu assim do direito que teria a ter o tal ano extra. Isso significa que Pinto da Costa assume um compromisso com o clube e os sócios até 2020, não até 2017, pois nenhum associado vai eleger o presidente pensando em que este possa sair antes do tempo - nenhum mandato pode servir para ganhar um campeonato e sair pela porta grande, mas sim para o cumprir na sua totalidade.

Na altura, aquando da alteração de estatutos, poucos terão discutido os efeitos que isto traria aquando do 14º mandato. E o mesmo se poderá dizer a propósito do processo eleitoral. Como muitos portistas nunca sentiram necessidade de precisar de eleições, são muitos os que agora estranham a forma como o FC Porto conduz os atos eleitorais.

O regulamento eleitoral, que cumpre os termos do artigo 50 dos estatutos do FC Porto, não recebeu qualquer tipo de objeção até há bem pouco tempo. Sim, o FC Porto é um clube completamente ultrapassado nos seus atos eleitorais, indigno para um clube que tem associados espalhados por todo o muno.

Só pode votar quem comparece no Dragão, o que afasta muitos interessados do ato eleitoral, pelas mais diversas indisponibilidades geográficas. O voto online, bem como a possibilidade de votar através das diversas casas do FC Porto espalhadas pelo país, deveria ser uma realidade já para o ato eleitoral de 2020. Não se aceita de outra forma. De certeza que há portistas que queriam votar em Pinto da Costa e não puderam; tal como outros queriam fazer o seu voto de protesto e não o puderam fazer. 

O FC Porto sente que nunca precisou de eleições, mas um dia vai precisar. Neste momento não há rivais pois ninguém aguenta o peso/responsabilidade de antecipar o fim da era Pinto da Costa no clube. Qualquer candidato que avance para a presidência do FC Porto seria, neste momento, considerado um inimigo do clube pela massa adepta. Pois desafiar Pinto da Costa é desafiar o FC Porto, sentem. Homem e clube confundem-se há anos, mas um dia o FC Porto vai ter que viver, a todos os níveis, sem Pinto da Costa; e nesse dia terá que ter um ato eleitoral adequado.

De facto, é uma manifesta hipocrisia só agora que o FC Porto «bateu no fundo» (palavras do presidente) criticar o ato eleitoral. Há um ano poucos ou ninguém se lembraram de o fazer. Isso é ponto assente. Mas ainda assim há a destacar, por exemplo, o boletim azul para a eleição dos corpos gerentes, no qual é particularmente difícil riscar ou escrever alguma mensagem que inutilize o boletim. Já na folha da eleição para o Conselho Superior, branca, é fácil de o fazer.

Não há também o local mais adequado para votar. As eleições são organizadas com a lógica de que, como só há uma lista, então só se vota nessa lista. A própria explicação das bonitas meninas nas urnas, dando a indicação de que «é só meter o boletim na urna porque só há uma lista», deixa um tanto a desejar. O Dragão não está preparado para receber pessoas que não queiram votar em Pinto da Costa; mas o clube não é de Pinto da Costa; Pinto da Costa é que é presidente do clube por vontade e decisão dos sócios.

Neste caso, só escreve e só vai às mesas quem não vota a favor de Pinto da Costa, ou que opte pelo ato de riscar alguns dos nomes das listas. Mesas corridas aos olhos de toda a gente não são mesas de voto. Sobretudo porque o artigo 3 do Regulamento Eleitoral diz claramente que a eleição é feita por «escrutínio secreto». Se alguém vai às mesas e saca da sua caneta, ou se é só receber o boletim e entregar, o secretismo deixa muito a desejar.

Mas lá está, sempre foi assim. É uma manifestação de hipocrisia, pois em 2013, quando Pinto da Costa foi eleito com mais de 99% dos votos expressos, não terá havido muitas críticas ao ato eleitoral. Por isso, aqui fica o desejo de que as coisas sejam severamente corrigidas no próximo ato eleitoral, com ou sem Pinto da Costa (o próprio Miguel Bismarck já admitiu rever a impossibilidade de votar em branco). O FC Porto tem que ser um clube preparado para eleições, coisa que não é, porque nunca sentiu necessidade de ser.

Quanto às eleições propriamente ditas, O Tribunal do Dragão foi abordado em dois sentidos: um para declarar apoio a Pinto da Costa antes das eleições; outro para publicitar um movimento de apelo ao voto nulo, como forma de protesto pelo trabalho feito nos últimos anos e como alerta para a SAD. Os dois casos foram descartados, pois O Tribunal do Dragão é um espaço de «defesa, crítica e análise ao FC Porto», não é um espaço para a promoção de sentidos de voto em atos eleitorais.

Pinto da Costa já foi elogiado e já foi criticado neste espaço. Porque aqui não se julgam as pessoas: julgam-se sim as ações e os atos de gestão - que por sua vez podem dizer muito de determinada pessoa. Pinto da Costa, enquanto presidente do FC Porto, já foi muitas vezes aclamado e defendido neste espaço; mas Pinto da Costa, enquanto candidato à presidência do FC Porto, está sujeito ao mesmo que os outros - os traços gerais da sua candidatura (não se pode falar em programa eleitoral) foram explicados no Porto Canal e foram devidamente analisados aqui, tal como se faria se o Manuel Joaquim quisesse candidatar-se à presidência do FC Porto. 

Pinto da Costa disse, genericamente, o que pretende para o 14º mandato. O resto é a palavra dos sócios, a mais importante em todo o processo. Mas podemos reconhecer que todos os associados, sejam os que entregam o boletim, sejam os que sacam da caneta, querem o mesmo: que o FC Porto volte a vencer e a orgulhar os seus adeptos pela personificação de mística, garra, honra e sede de vencer. No final das contas, há dois grandes grupos de associados: aqueles que continuam a acreditar em Pinto da Costa; e aqueles que querem acreditar uma última vez em Pinto da Costa. E haverá ainda certamente aqueles que queriam acreditar, mas não receberam sinais suficientes por parte do presidente nos últimos meses, o que também será uma posição legítima.

Pinto da Costa pode não voltar a ter outro mandato para corresponder a essa confiança. A boa notícia é que, a partir de hoje, terá 4 anos pela frente para reerguer não só o clube como a sua obra. Com o reconhecimento que os associados não estão a votar nele para premiar o seu passado, mas sim para regressar às vitórias no 14º mandato. 

Esta pode não ser a eleição em que Pinto da Costa recebe menos votos (essa ocorreu em 1991, quando Martins Soares conseguiu pouco mais de 20%), mas poderá ser aquela que mais votos nulos teve. Cabe a Pinto da Costa decidir o que quer fazer: ou ignorar quem não votou nele, pois não precisou desses votos para ser reeleito; ou tentar reconquistar a confiança desses associados, tentando unificar o clube e os adeptos, em vez de ignorar/criticar quem o contesta. Se seguir a segunda, o presidente já entra a ganhar no 14º mandato.

sexta-feira, 15 de abril de 2016

O outro teste

«Excedentários vão render 30 milhões». Esta capa do jornal O Jogo é de um otimismo e convicção que se saúda, pois já era tempo de o FC Porto receber tão positiva garantia. Num país onde os Renatos se vendem por 60M€ e os Nicos por 45M€, finalmente sentimos alguma justiça em prometerem um encaixe de 30M€ com excedentários.

Da capa do jornal ao texto, O Jogo passa da certeza à especulação, enumerando uma série de jogadores que podem «render entre 25 a 30 milhões de euros». Basicamente, é o exercício especulativo que todos os adeptos fazem todos os anos, de calcular quanto cada jogador pode render. Mas por experiência própria, é mais do que sabido que os excedentários raramente dão bons encaixes financeiros.

Ainda assim, e repetindo o mesmo que vem sendo dito em todos os finais de época, é tempo de o FC Porto deixar de ter um plantel emprestado. Um clube que tem uma equipa B, que tem uma folha salarial altíssima e que ainda assim tem carências no seu plantel principal não pode ter mais de 30 jogadores emprestados - sobretudo quando a maioria desses jogadores nunca mais vão vestir a camisola do FC Porto. É insustentável e injustificável.

Com isto, algumas considerações sobre as metas até 30 de junho. Como era sabido na apresentação do orçamento para 2015-16, a SAD precisava de um resultado com transação de passes de jogadores de 72,59M€. Entretanto a saída de Alex Sandro gerou uma mais-valia de 21,36M€, o que já abateu o valor para pouco mais de 50M€. Imbula também saiu, mas terá uma mais valia muito reduzida (só cerca de 18M€ servem para abater o valor contabilístico do passe, pois Imbula não esteve sequer meio ano no FC Porto), sendo que ainda haverá a calcular as outras operações de inverno do FC Porto.

Na possibilidade de alguns excedentários serem vendidos, há que ter em atenção a relação preço de venda vs. mais-valia. Por exemplo, imaginando que Adrián López conseguia a proeza de ser vendido por 8M€ - 6,6M€ deste valor não seriam considerados na mais-valia, pois Adrián só cumpriu 2 dos 5 anos de contrato. Se a isso tivermos que deduzir mecanismos de solidariedade, comissões ou prémios/indemnizações, basicamente Adrián López não gera mais-valia, apenas para dar este exemplo. 

Uns foram contratados sabendo-se (ou prevendo-se) de antemão que não tinham qualidades/características para singrar no FC Porto, como Sami ou Hernâni. Outros tinham valor mas a contratação falhou por diversas razões, como Ghilas. E outros não são ainda casos perdidos, como Reyes. Mas há a garantia de que a SAD tem que arrumar a casa antes de atacar o mercado. Não podemos pensar em comprar um guarda-redes quando já temos 5 emprestados a outros clubes. Primeiro limpar os quadros do clube, depois reforçá-los se necessário, mesmo que a saída dos excedentários não impeça a venda de dois ou três titulares da equipa A.  

Não vale a pena falar de Quintero pois, a partir do momento em que renova até 2021, então é porque a SAD sabe que pode contar com ele - felizmente o absurdo empréstimo ao Internacional foi abortado. O FC Porto podia errar na sua contratação, mas não podia errar quando renova com ele por mais 4 anos, sobretudo no mercado de inverno, de onde o plantel saiu ainda mais enfraquecido. Quando O Jogo escreve que Quintero vai estar «em exame até ao fim da época», não faz o menor sentido - então depois de renovar por 4 anos é que vai a exame? O exame já tinha que ter sido feito, logicamente. Renovar com um jogador para depois concluir que não tem caráter não se enquadraria numa gestão competente. 

Além da necessidade de fazer mais cerca de 50M€ com mais-valias de jogadores (é dado quase adquirido que Brahimi sai, restando saber quem lhe faz companhia - Herrera, Danilo e Rúben Neves são os jogadores que aparentam ter maior valia no mercado, mas sobretudo os dois últimos deveriam ser considerados intocáveis), há a necessidade de colmatar a ausência da Champions.
As metas a cumprir até 30 de junho
A SAD orçamentou 27,437M€ de ganhos na Champions. No primeiro semestre conseguiu apenas 11,698M€, mas a diferença seria reduzida se a equipa se apurasse diretamente para a Champions 2016-17. Como à partida não o vai fazer, são mais 12M€ que têm que se encontrar até 30 de junho.

A SAD orçamentou um resultado líquido de 1,793M€ para a época 2015-16, mas não seria inédito, nem tampouco a coisa mais grave da sua história, fazer com que algum prejuízo transitasse para 2016-17. Mas há um problema chamado fair-play financeiro, que impede a SAD de apresentar mais de 8,6M€ de prejuízo, caso contrário enfrenta o risco de sanções. O Sporting também falhou o fair-play financeiro e não foi a coisa mais grave do mundo, pois as sanções não foram particularmente pesadas, mas no caso do FC Porto falhar o FPF depois da operação Euroantas de 2014-15 seria algo absolutamente inqualificável e injustificável. 

Faltam dois meses e meio para o fim da época financeira e, mais do que testes de caráter ao plantel, vai haver testes à capacidade da SAD nas movimentações no mercado, com a necessidade de gerar pelo menos mais 40 a 50M€ em mais-valias e encontrar forma de colmatar os 12M€ da Champions que já não vão entrar nas contas. As últimas semanas de 2015-16 não servem apenas para que alguns jogadores mostrem se merecem ficar no FC Porto: serve também para ver como é que a SAD vai lidar com este grande, chamemos-lhe, desafio. Há o teste de caráter ao plantel e haverá o teste de competência de gestão financeira da SAD para a época 2015-16.

Pergunta(s): Que emprestados têm lugar no FC Porto 2016-17 e quem pode gerar as mais-valias necessárias no mercado?

quarta-feira, 13 de abril de 2016

Sempre se pagaram comissões

«Sempre se pagaram comissões». Esta frase ganhou espaço em todas as discussões sobre o pagamento de comissões feito pelo FC Porto, em particular por parte de quem defende inteiramente a política levada a cabo pela SAD neste aspeto.

À partida, nunca ninguém disse que o FC Porto nunca pagou comissões, o que retira desde logo toda a lógica e peso a essa argumentação. O que está em causa é que, provavelmente, muitos adeptos só se interessam com isto pois a equipa não está a conquistar títulos. Se o FC Porto estivesse já com festa à vista nos Aliados, possivelmente muitos não se importariam com quantos milhões e para quem iriam sair dos cofres da SAD.

Mas na verdade, isso é mais legítimo do que possa parecer. Para muitos adeptos, o problema não é o pagamento de comissões: é o pagamento de milhões que não têm retorno desportivo. É o pagamento de milhões ou comissões que não resultam num benefício para o FC Porto. A política de gestão da SAD do FC Porto é, há anos, estar sempre no risco financeiro para ter retorno desportivo; se o retorno desportivo não está a aparecer, é normal que o modelo seja criticado.

«Sempre se pagaram comissões», é verdade. Mas a questão que se deve colocar é: hoje pagam-se mais comissões do que antes? São essas as contas que O Tribunal do Dragão fez:

(*) 6 primeiros meses de 2015-16. Dados dos R&C anuais da SAD. As comissões incluem encargos e contratos
Nota prévia: a época 2015-16 inclui apenas as despesas dos primeiros seis meses da temporada; e todos estes valores dizem respeito a «encargos com serviços de intermediação nas aquisições de passes de jogadores», «bem como na negociação e renegociação dos contratos de trabalho com jogadores». Ou seja, não estão incluídas as comissões pagas pelo FC Porto nos momentos de vendas de jogadores, apenas na compra ou elaboração de contratos. Em relação a 2015-16, o valor ainda vai aumentar com os negócios feitos em janeiro pela SAD. Posto isto, algumas notas soltas sobre as comissões/encargos pagos pela SAD nas últimas 10 épocas:

- Em 2011-12, época seguinte à conquista da Liga Europa, a SAD atingiu o topo do pagamento de serviços de intermediação: mais de 11M€. Tal explica-se pelos elevados encargos envolvidos nas contratações de Danilo (4,839M€), Mangala (1,02M€) e Defour (1,85M€) - os dois primeiros deram grande retorno desportivo e financeiro. Nessa época, o FC Porto investiu um valor líquido de 56,517M€ em contratações (78,29% das receitas operacionais da SAD) e terminou com um prejuízo consolidado de 35,76M€ - o que marcou uma série de cinco épocas sempre a dar lucro.

- As comissões/serviços de intermediação têm aumentado sucessivamente desde 2012-13 - à imagem do que foi acontecendo entre 2005-06 e 2011-12.

- Só nos primeiros seis meses desta época, a SAD gastou mais 2,568M€ do que no conjunto das três primeiras épocas com Jesualdo Ferreira, na qual o FC Porto foi sempre campeão.

As mudanças desde 2010
- Nas quatro épocas em que a SAD mais pagou em comissões e encargos, o FC Porto só foi campeão numa, em 2011-12. Se é verdade que no futebol português a equipa que mais investe é, por norma, a campeã (2015-16 vai ser uma das exceções), investir mais em encargos/comissões não garante nada.

- Nos últimos dois anos e meio, o FC Porto pagou 18,97M€ - há a expetativa de ver se este valor atinge os 20M€ com os negócios do mercado de inverno. Assim sendo, em dois anos e meio em que o FC Porto não ganhou nada, os encargos são quase tantos como os das últimas cinco épocas em que o FC Porto foi sempre campeão (20,349M€).

- Na era Jesualdo Ferreira, o FC Porto foi sempre aos 1/8 da Liga dos Campeões e pagou apenas 7,217M€ de comissões - menos do que o valor total a ser pago na época 2015-16, em que o FC Porto só pode ganhar uma Taça de Portugal.

- Exceção feita a Jackson Martínez, as últimas grandes vendas do FC Porto foram feitas com jogadores contratados em 2011-12, a época em que houve mais encargos (Danilo, Alex Sandro e Mangala).

O resistente de 2013
- Entre 2006 e 2010, anos em que as comissões/encargos nunca foram além dos 3,045M€, o FC Porto contratou jogadores como Fernando, Hulk, Rodríguez, Sapunaru, Rolando, Guarín, Álvaro Pereira, Falcao ou Belluschi; ou seja, uma base de jogadores para ganhar campeonatos e Liga Europa com grande brilhantismo, e em que alguns geraram as mais-valias necessárias para que a SAD nunca desse prejuízo (entre 2006 e 2011 deu sempre lucro). Além disso, durante esse espaço de tempo fez vendas como Diego, Anderson, Pepe, Quaresma, Bosingwa, Lisandro, Lucho ou Cissokho.

- De todos os jogadores contratados pelo FC Porto desde 2013, que implicaram o pagamento de encargos de pelo menos 18,97M€, ainda nenhum proporcionou nenhuma venda significativa ao FC Porto (a mais-valia por Imbula é reduzida, por ter sido vendido quase a preço de compra e menos de meio ano depois de ter assinado pelo FC Porto), acima dos 10M€. Importa recordar que o FC Porto, pela voz de Antero Henrique, assumiu que a sua gestão implica ciclos de três anos para os jogadores do clube. Ou seja, a fornada contratada em 2013 deveria começar a dar lucro agora neste verão (de todos esses jogadores, só Herrera, que tecnicamente foi contratado no exercício de 2012-13, está no plantel). Quantos dos jogadores do atual plantel estão em condições de garantir as mais-valias necessárias?

- Tendo em conta a última década. Entre 2006 e 2011 o FC Porto pagou uma média de 2,353M€ por época; já entre 2011 e 2016 pagou, até ao momento, uma média de 6,52M€, ou seja, quase o triplo da primeira metade da década. Podemos considerar uma hipotética inflação no mercado do futebol, mas o triplo parece ser um pouco puxado. E há que lembrar que entre 2006 e 2011 o FC Porto ganhou quatro campeonatos e uma Liga Europa, enquanto entre 2011 e 2016 ganhou dois campeonatos.

ADENDA: face à pertinente sugestão de um leitor no Facebook, O Tribunal do Dragão acrescenta a relação entre comissões/encargos e o valor total das aquisições feitas pelo FC Porto por época (o que inclui contratações e compras de passes de jogadores que já eram do clube).
- O padrão de aumento desde 2011 é claro, e tem na época 2012-13 a grande exceção (curiosamente a última época em que o FC Porto foi campeão). De recordar que Pinto da Costa disse, na última entrevista, que o FC Porto paga «5 a 10%» por operação aos empresários. Neste caso, importa ter em conta que o valor dos encargos inclui variantes como prémios de assinatura e direitos de imagem, logo o dinheiro não se destina todo aos empresários. Daí que o facto de nas últimas 5 épocas o FC Porto ter ultrapassado, em 4 ocasiões, os 10% (e de já ter ultrapassado os 25%) não significa que os empresários estejam a receber acima das percentagens afirmadas pelo presidente do FC Porto.

É verdade. O FC Porto sempre pagou comissões/encargos, como todos os outros clubes. O problema é que nunca pagou tanto por tão pouco retorno desportivo.

PS: Foram considerados apenas os encargos com compras de jogadores e celebração de contratos, e não as percentagens de passes que se atribuem a agentes/fundos aquando da compra de jogadores e renovações de contratos. E uma vez mais, importa lembrar que não estão incluídas as comissões pagas nos momentos de vendas de jogadores (daí que Pinto da Costa tenha dito, por exemplo, que o FC Porto pagou 11M€ em três anos a um empresário, e que este valor pareça exagerado face aos números que estão aqui apresentados).